CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

18 de janeiro de 2014

Sidarta: Luiz Gavri


                                      Caminante, no hay camino se hace camino al andar.
                                             (Antonio Machado)

Sidarta olha o rio
Nem eterno, nem infinito.
Aqui, com olho e sem rio.
Leio, penso e sorrio.

Costuro o passado,
Bordo o futuro,
Esqueço o presente,
No momento que sinto
Pele, cheiro, calor e toque.


(Niterói, 03/08/13)

2 comentários:

  1. Gavri capta com seu poema um dos infinitos fragmentos sensoriais que o belo livro de Hermann Hesse suscita. Somos uma corda estendida entre o sagrado e o profano, uma corda por cima de um abismo. Sidarta foi um dos destaques do Clube de Leitura Icaraí em 2013.

    ResponderExcluir
  2. Bom esse poema do Gavri, pouco lirismo, mas cheio de poesia. Interessante sonoridade. pequeno e bem feito.
    Carlos.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.