CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

23 de maio de 2017

Estamos lendo - A filha perdida: Elena Ferrante


- Posso fazer uma pergunta íntima?
- Vamos ver.
- Por que você deixou suas filhas?
          Pensei, procurei uma resposta que pudesse ajudá-la.
- Eu as amava demais e achava que o amor por elas impedia que eu me tornasse eu mesma.









“Que bobagem é pensar que é possível falar de si mesmo aos filhos antes que eles tenham pelo menos cinquenta anos. Querer ser vista por eles como uma pessoa e não como uma função. Dizer: sou sua história, vocês começam comigo, escutem, pode ser útil.”





20 de maio de 2017

Nas nuvens: Vera Freire




Hoje não vejo o Cristo.
Abro, como sempre, minha janela.
Ele não está.
O dia amanheceu chorando...
As nuvens densas contornam as montanhas.
Elas O abraçam, 
Envolvendo, protegendo.
Existe no ar um convite ao recolhimento.
Gosto de dias chuvosos, eles nutrem minha melancolia.
Existe vida lá fora.
Aqui dentro apenas lembranças.
Na janela pingos de lágrimas brilham.


Vozes do CLIc


Não consigo me concentrar nas palavras
Ruídos intensos penetram na penumbra
Corpos se estendem e trazem seu gritos para a rua
O Caos se instala
Minha cabeça confusa se mescla ao cenário conturbado
Outro instante parado no ar
Outra cena submergindo da lama
Ah! Meu país.!..por onde andas?
Lama...só lama......treme  o temor de temer a treva

Luz????

(Ceci)




Caos se instalando. 
Cenário conturbado.
Lama. 
Trevas. 
Há luz no fim do túnel? 

(Elenir)

17 de maio de 2017

Revivendo leituras passadas - Grande Sertão: Veredas


Tudo fazia com um realce de simplicidade, tanto desmentindo pressa, que a gente só podia responder que sim.

Coração de gente — o escuro, escuros”.




No dia 26 de março de 2010, os participantes do Clube deLeitura se reuniram na reitoria da UFF para debater sobre o livro do mês. A obra escolhida foi Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa. O encontro de março foi o primeiro a acontecer no terceiro andar do prédio, na Sala dos Conselhos. Lá, os leitores puderam falar sobre suas impressões, sensações e compartilhar pontos de vista acerca da obra.



Composição EdUFF para a reunião de março.


Viver é atravessar um terreno sem salvaguardas. Sem garantias. Sem proteção. Sobreviver as quedas é uma experiência ciclônica, um turbilhão atravessando o ser em alta velocidade. Os golpes e as quedas se repetem e se repetem... 
No entanto, apostando sempre no SER, penso que no meio, no entremeio da vida selvagem, pode-se também encontrar mansidão.
(Niza)


16 de maio de 2017

Desespero: Sonia Salim


Edvard Munch - Desespero


Estou movida por uma grande angústia
e tomada pelo desespero
que emana de minha alma

Nas minhas veias flui melancolia

A desolação tomou conta de mim inteiramente

Não fossem os diálogos de nossos olhos
ao suicídio, eu já teria sucumbido
esse silencioso devorador de vidas

Talvez o meu coração seja ambíguo
duvidoso e direcionado a contradições

Ou essa paixão tenha sido voraz
incapaz de conviver com o medo
da separação e do vazio

Frustrações imaginárias...

Oh, meu grande amor!

Ensina-me a estabilizar o desespero
através do brilho do seu olhar

Eu não quero morrer!



      Sonia Salim



Poema feito a partir da leitura do livro 1934, Alberto Moravia, 
debatido no Clube de Leitura em Outubro de 2013.




13 de maio de 2017

Livro: A filha perdida, de Elena Ferrante

Olá queridos!
Segue o post que fiz no meu blog Mar de Variedade sobre esse livro, que li recentemente no Clube Leia Mulheres Niterói, e que será o livro de junho do CLIc.

Já desejávamos ler algum livro da Elena Ferrante, que é uma das autoras mais comentadas do momento. Ela utiliza esse pseudônimo, mas não divulga a sua identidade. Até pode ser um homem.
Bem, escolhemos esse livro, pois não queríamos ler um livro que fizesse parte de uma série, como é o caso de A amiga genial. 
Então, escolhemos esse que é avulso, embora tenha um infantil (Uma noite na praia), que é meio como uma continuação desse. 


Sinopse da Amazon: "Da autora de A amiga genial e História do novo sobrenome, um romance feminino e arrebatador.
“As coisas mais difíceis de falar são as que nós mesmos não conseguimos entender.” Com essa afirmação ao mesmo tempo simples e desconcertante Elena Ferrante logo alerta os leitores: preparem-se, pois verdades dolorosas estão prestes a ser reveladas.
Lançado originalmente em 2006 e ainda inédito no Brasil, o terceiro romance da autora que se consagrou por sua série napolitana acompanha os sentimentos conflitantes de uma professora universitária de meia-idade, Leda, que, aliviada depois de as filhas já crescidas se mudarem para o Canadá com o pai, decide tirar férias no litoral sul da Itália. Logo nos primeiros dias na praia, ela volta toda a sua atenção para uma ruidosa família de napolitanos, em especial para Nina, a jovem mãe de uma menininha chamada Elena que sempre está acompanhada de sua boneca. Cercada pelos parentes autoritários e imersa nos cuidados com a filha, Nina parece perfeitamente à vontade no papel de mãe e faz Leda se lembrar de si mesma quando jovem e cheia de expectativas. A aproximação das duas, no entanto, desencadeia em Leda uma enxurrada de lembranças da própria vida — e de segredos que ela nunca conseguiu revelar a ninguém.
No estilo inconfundível que a tornou conhecida no mundo todo, Elena Ferrante parte de elementos simples para construir uma narrativa poderosa sobre a maternidade e as consequências que a família pode ter na vida de diferentes gerações de mulheres.
Elena Ferrante se tornou especialmente conhecida pela série napolitana, cujos dois primeiros volumes, A amiga genial e História do novo sobrenome, já foram publicados com grande sucesso no Brasil.
Best-seller internacional, Ferrante tem livros lançados em mais de 30 países.
“A prosa de Ferrante é extraordinariamente franca, direta e inesquecível.” Publishers Weekly
“Um romance brutalmente sincero sobre a ambivalência da maternidade. ” The New Yorker
Outro livro da autora: Uma noite na praia."



Já começo dizendo que gostei muita da leitura e da forma fluida como essa autora escreve.
Embora a história pareça simples, pois utiliza o tema maternidade, não tem nada de simples. Rs. Os temas são abordados de forma profunda. 
A escrita da autora me lembrou a Clarice Lispector, pois, através de uma determinada situação, a personagem/narradora se lembra de situações do passado e isso desencadeia uma série de atitudes. 
A Leda, nossa personagem principal e narradora, vai passar as férias na praia, no sul da Itália. Suas filhas, já adultas, estão morando com o pai, em Toronto, no Canadá.
A Leda começa a narrar os seus dias na praia e, ao passar a observar uma família napolitana, entre elas uma mãe com sua filha com a boneca e a tia grávida da menina, ela começa a pensar nela como mãe.
O que pode chocar alguns é a coragem da escritora ao abordar a maternidade de uma forma muito sincera pela narradora da história. 
A forma da Leda se comportar, sem se preocupar com o que as pessoas à sua volta vão pensar, é muito interessante. Quando pediram para ela mudar de lugar na praia, ela se negou sem qualquer constrangimento.
"A senhora não vai mudar de lugar?-, respondi bruscamente, com uma seriedade hostil: não, estou bem aqui, lamento, mas não estou com vontade nenhuma de mudar de lugar." (trecho do livro)
Ela confessa para essa família em algum momento da história que abandonou as filhas com o pai. Não senti muita culpa nela.
O livro nos faz refletir: por que julgamos esse tipo de atitude? Por que achamos que as mães têm que ser heroínas? 
O livro desmistifica um pouco o papel de mãe. Vai mostrar uma mãe com erros e acertos, confessando coisas que muitas mães gostariam de confessar, mas não fazem por medo do julgamento da sociedade. É tapa na cara esse livro!
O tema central é a maternidade, mas o livro aborda outros assuntos, como relacionamento marido/mulher, comportamento, entre outras coisas. 
Essa é uma degustação do livro. Ele deve ser lido, pois há muitas questões a serem pensadas e debatidas. 
Quero muito ler outros livros dessa excelente autora.


Recomendo!

9 de maio de 2017

Literatura na Varanda festeja a sua 5ª edição homenageando Clarice Lispector




Um encontro que mescla literatura, música e performances poéticas. Assim será a quinta edição do projeto Literatura na Varanda que nasceu em agosto do ano passado. No evento deste sábado (20), a escritora Mariney Klecz vai analisar a obra de Clarice Lispector (1920 – 1977).

Perto do coração selvagem (1943); A paixão segundo G. H. (1964); Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres (1969); Água viva (1973); Um sopro de vida (1978); A hora da estrela (1977); Laços de família (1960); Felicidade Clandestina (1971) e A Bela e a Fera (1979) integram a lista das produções literárias mais conhecidas da escritora Clarice Lispector, nascida na Ucrânia.

Mariney Klecz escreve poesias, contos e livros infantis. Autora do livro "SOS Floresta" em sua 2ª edição, participou de várias antologias. Pertence à Arcádia Brasílica de Artes e Ciências (no Rio de Janeiro), à Associação Niteroiense de Escritores e à Academia de Letras da Região Oceânica de Niterói. É cofundadora e diretora do Centro Literário e Artístico da Região Oceânica de Niterói (CLARON).

A poetisa Nathália Reina também colabora com o bate papo clariceano. Formada em Direito pela UFRJ, professora de francês, atriz e poeta, Nathália tem como uma das suas paixões a literatura. A imersão nas obras de Clarice se deu logo no início da adolescência, a partir do encantamento e afinidade pela subjetividade da autora. Em seu blogue Palavrinha (blog: http://nathaliareina.blogspot.com), criado há nove anos, são registrados pensamentos e questionamentos diversos.

Formada desde abril do ano passado, a banda niteroiense Sirius Beta apresenta um show acústico ao final da noite. Com influências musicais do rap, rock, MPB, jazz-samba e jazz funk, os músicos Larrubia (vocal), Fernando Malheiros (guitarra), Cícero Leitão (contrabaixo) e Felipe Soares (bateria) participaram recentemente da gravação do primeiro vídeo clipe do grupo.



Literatura na Varanda – 5ª edição:

Data: 20 de maio (sábado)
Horário: das 15 às 18 horas (3 horas de duração)
Entrada franca (Colabore doando um livro)
Local: Curso Animator
R. Visc. de Morais, 255 - Ingá - Niterói (próximo ao colégio público Aurelino Leal e em frente à academia de ginástica Paulo Menezes). 

Mais informações através do link do evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/1664488140527488/

7 de maio de 2017

Participe e ganhe o livro "A Experiência"

Publique aqui no Blog suas impressões sobre o livro do mês no Clube de Leitura de Icaraí 

Frankenstein




ou sobre os romances

O Desaparecimento: Rudolf Bickel


ou


               O homem que vendia ilusão: Rudolf Bickel






e concorra a um exemplar do livro 


                   "A Experiência" de Rudolf Bickel






Escreva uma resenha do livro do mês do CLIc (Frankenstein: Mary Shelley) ou sobre os romances "O desaparecimento" ou "O homem que vendia ilusões", ambos de Rudolf Bickel com pelo menos 350 palavras para postagem aqui, no blog do Clube de Leitura Icaraí, e concorra ao livro "A Experiência" de Rudolf Bickel. Envie sua resenha para grupo-de-leitura-agora-na-uff@googlegroups.com (se você é membro do Clube) ou conciergeclic@gmail.com até 9/5/2017, 2 dias antes do debate de "Frankenstein" que será no dia 11/05/2017.


(Exemplar gentilmente cedido pelo autor. Será entregue no dia do debate de Maio, no dia 11/5/17, às 19:00 h, na Varanda do Centro de Artes UFF.)



Outras obras de Rudolf Bickel: 







Rudolf Bickel – Nasceu no Rio de Janeiro, em 07/08/1942. Formado em Direito, pela Universidade Gama Filho (UGF/RJ) e em Contabilidade – Sindicato dos Contabilistas do Município do Rio de Janeiro. Atuou como auxiliar de contabilidade, oficial de diligências, escrivão de polícia e delegado estadual. Publicou os livros As Andanças de um Viajante e O Homem que Vendia Ilusão e A Experiência, entre outros.













6 de maio de 2017

Eventos marcantes que participamos


Teatro Nô no Clube da Felicidade:

CAEx: Clube das Almas Execráveis



Fantasma no CLOu:





 Em 'Fantasma', testemunha de crime é uma sem-teto frágil e sonhadora.

Novo livro de Luiz Alfredo Garcia-Roza dá visibilidade a personagens habitualmente desprezados

 "O Sr. Garcia-Roza, como eu deveria ter esperado, não é exatamente 'o autor de romances policiais protocolar', mas um híbrido mais interessante entre a análise incessante de personagens e a pura movimentação narrativa." (R.)


Crepúsculo dos Ídolos: Friedrich Nietzsche, no "Filosofia em Casa":


Este livro, que serve de introdução à forma de pensar nietzschiana, é sobretudo, fruto da seguinte constatação do autor -'Há mais ídolos do que realidades no mundo'. A partir disso, Nietzsche põe-se a aniquilar tudo aquilo que julga serem ídolos falsos, ocos e decadentes. Ele parte do pensamento de Sócrates, destrói ídolos da sua época, como o sistema educacional alemão, escritores em voga, anarquistas, socialistas e progressistas, sem nunca deixar de atacar a metafísica.


Homem Comum: Philip Roth na Reunião Mensal do Clube




Clube da Lua: Baile do Bóson de Higgs

Baile da Lua
O Cão de Higgs

Para celebrar a descoberta da partícula de Deus, o clube da lua está planejando um tremendo baile.








Clássicos CLIc - Livro das Mil e Uma Noites: Tradução Jarouche

Degustação de doces distintos e estéticos, harmonizado com vinho branco, sobremesa gourmet, chef francês, com degustação literária, etc.



A fragrância é almíscar; as faces, o firmamento,
os dentes, estrelas; a saliva, vinho;
a esbelteza, celeste; os quadris, duna;
os cabelos, noite; o rosto, quarto crescente.


5 de maio de 2017

Infante D. Henrique – O navegador

Por Wagner Medeiros Junior

Resultado de imagem para Infante D. Henrique


Parte I

O Infante D. Henrique nasceu na cidade do Porto, em Portugal, no dia 4 de março de 1394. Quinto Filho do rei D. João I, primogênito da dinastia de Avis, e da rainha D. Felipa de Lencastre, nobre da casa régia da Inglaterra, o Infante não chegou a ser um navegador, senão o promotor das incursões portuguesas pelo Atlântico, na expectativa de encontrar outros povos, expandir o cristianismo e estabelecer novas rotas comerciais. Até então o sul do oceano Atlântico era conhecido como “Mar Tenebroso”, sendo muito temido pelos navegantes, que acreditavam existir em suas águas terríveis monstros marinhos, que o tornava impenetrável.

Conforme consenso da historiografia moderna, a expansão ultramarina portuguesa iniciou-se com a decisão de D. João I invadir a cidade de Ceuta, que monopolizava o comércio no norte da África e mantinha o controle do Estreito de Gibraltar em poder dos mouros. D. João I viu nessa oportunidade uma maneira de aumentar o prestígio de Portugal junto à Igreja e elevar seus filhos homens – D. Duarte, D. Pedro e D. Henrique – à condição de cavaleiros da Coroa. Coube, então, ao Infante D. Henrique, aos 21 anos, a missão de organizar e comandar as frotas da região do Porto, que participariam da expedição a Ceuta.

Em agosto de 1415, sob a benção do Papa Gregório XII, a cidade de Ceuta caiu sob o domínio cristão português, sem grande reação dos “infiéis” muçulmanos. Seguiram-se depois os saques em busca de metais preciosos, joias e outras riquezas, em meio ao caos aberto entre mercadorias de todos os tipos espalhadas entre cadáveres de homens, mulheres e crianças. O comércio florescente daquela praça, que até então ostentava milhares de lojas com produtos das mais variadas procedências - da África, da Índia (pela concepção européia compreendia todo continente asiático), da Pérsia e mesmo de Veneza – foi aniquilado.

Isto fez com que as caravanas de comerciantes mudassem as suas rotas e que o abastecimento da cidade e das tropas portuguesas que permaneceram em terra, sob o comando do escudeiro Pedro de Menezes – cerca de 2.700 homens - ficasse comprometido, pela falta alimentos, principalmente de cereais. A manutenção de Ceuta, desta forma, tornou-se extremamente onerosa para as Cortes portuguesas. Mesmo assim, o Infante D. Henrique insistiu por fincar-se no norte da África, mesmo contra a vontade das Cortes.

Em 1418, quando os mouros investem sobre Ceuta na tentativa de resgatar o território conquistado são novamente vencidos. O Infante D. Henrique havia regressado para participar da defesa, mas sua chegada aconteceu após a vitória consumada. Mesmo assim, é nomeado por seu pai, D. João I, senhor defensor de Ceuta, ficando a partir daí responsável pela manutenção da cidade. Como recompensa D. João ainda o eleva a Grão-Mestre da Ordem de Cristo, detentora de imensa riqueza, e governador perpétuo do Algarves, do Lagos e de Sagres.

Durante esse período, o Infante Dom Henrique permanece por quase um ano na cidade, onde toma conhecimento das rotas das caravanas de comerciantes e do ouro que chegavam a Ceuta. Ao retornar a Portugal, em 1419, o Infante decide-se por abandonar a Corte e instalar-se na vila de Lagos, cerca de cinco léguas de Sagres, onde passa a dedicar-se ao estudo da Matemática, da Cosmologia e à leitura de escritores antigos. É de lá que o Infante lançou as suas primeiras expedições marítimas em busca do desconhecido.

A fortuna recebida da Ordem de Cristo, herdeira da Ordem dos Templários, junto ao fervor religioso e a abnegação por encontrar e converter outros povos ao Cristianismo seriam determinantes para que D. Henrique reunisse na Vila de Lagos grandes mestres da ciência e exímios escudeiros deveras habilitados a desvendar os segredos das navegações. Daí que surge a hipotética Escola de Sagres, cuja existência não há provas científicas, mas que se fundamenta em um núcleo filosófico que reuniu grandes sábios, sem os quais não seriam possíveis as grandes descobertas e a expansão marítima portuguesa.


Parte II


A conquista de Ceuta, ao norte da África, foi para a nobreza portuguesa uma grande decepção, uma vez que a expectativa de obtenção de riquezas, pelo menos em médio prazo, não se viabilizou. Pelo contrário, a própria manutenção das tropas era muito onerosa, pois dependia de quase tudo de Portugal, haja vista que o estado permanente de guerra com os muçulmanos dificultava a preparação da terra para o cultivo agrícola e a criação de animais. Além disso, as rotas comerciais até então existentes foram desviadas para outros locais pelos árabes.

O alto custo para a permanência naquela praça tornou-se um problema a mais para o pequeno reino de Portugal, já bastante carente de recursos materiais e humanos, o que levou importantes setores da nobreza a pressionar a Coroa pelo abandono de Ceuta. O infante D. Henrique, no entanto, tornou-se não só um aguerrido defensor em manter o território conquistado, como também em estender o domínio português para outros pontos da África. Era de Ceuta que sua armada partia para a prática do corso pelo Estreito de Gibraltar.

Então, em 1433, as Cortes reunidas em Évora acabaram por aprovar, mesmo contra a vontade, uma incursão ao Tânger, ao norte do atual Marrocos. Tal iniciativa veio a se firmar como um grande fracasso, pois além de uma fragorosa derrota das tropas comandadas pelo Infante D. Henrique para os mouros, seu irmão mais novo, o Infante D. Fernando, foi capturado como refém. Como resgate os muçulmanos exigiram a retirada dos portugueses de Ceuta, o que não aconteceu. E D. Fernando acabou por falecer na prisão, em 1443, tornando-se mártir para o reino português.

Por ocasião do desastre de Tânger os intrépidos navegadores de D. Henrique já haviam desbravado uma imensa área da costa da África. Mas, o terrível cabo Bojador, até então uma grande obstáculo à navegação, só seria ultrapassado por Gil Eanes em 1434. Nenhum dos navegantes encontrou outro reino cristão, nem o almejado território de Prestes João, como há tempo era esperado pelo Infante. Porém, em 1441, a primeira centena de escravos negros era transportada da África para Portugal, iniciando o que viria a ser uma das mais lucrativas atividades da época.

Conforme Bernardo Vasconcelos e Souza, em História de Portugal, o corso de há muito praticado e as atividades comerciais, incluindo o tráfico de escravos, passaram a andar associados, numa conjugação que diversificava as possibilidades de obter rendimentos altamente compensatórios. Não é por outra razão que o príncipe regente D. Pedro, irmão do Infante D. Henrique, concedeu-lhe, em 1443, o monopólio de todo o comércio de escravos ao sul do cabo Bojador.

Outro benefício incorporado à imensa fortuna do Infante D. Henrique foi a mercê de Senhor das Ilhas do Atlântico, recebida do rei D. Duarte, também seu irmão, após a morte de D. João I. As ilhas de Porto Santo e Madeira foram concedidas por ele aos navegantes João Gonçalves Zarco, Tristão Vaz Teixeira e Bartolomeu Perestrelo (os primeiros a conquistá-las), na forma de Capitanias Hereditárias. Tais ilhas produziam resíduos para tinturaria, madeira, vinho e cereais, abastecendo a metrópole e Ceuta.

Mais tarde o próprio Infante introduziu na ilha da Madeira, em caráter experimental, a cana de açúcar, cuja plantio se estenderia ao arquipélago dos Açores, onde também viriam a ser montados engenhos para a produção do açúcar para exportação. Só as ilhas de Cabo Verde seriam alcançadas a expensas da Coroa portuguesa, em 1456, sem a interveniência do Infante D. Henrique.

Senhor de Covinhã, duque de Viseu e Grão-Mestre Perpétuo da Ordem de Cristo - herdeira da Ordem dos Templários – fiel defensor das cruzadas medievais, o Infante D. Henrique ainda detinha, entre outras mercês, o monopólio da pesca nos mares do Algarve, nas ilhas do Atlântico e na costa da África, quando morreu, em 13 de novembro de 1460,em Sagres, solteiro e supostamente casto.

Visite nosso blog 

Preto no Branco por Wagner Medeiros Junior

3 de maio de 2017

Ingrid Jonker, uma emocionante poetisa africana

Dia desses, uma grata surpresa: em um dos canais da TV por assinatura, assisti à "Borboleta negra", um filme sobre a vida de Ingrid Jonker, poetisa africana. Eu não a conhecia e fiquei realmente encantada com sua produção.

Na cena para mim mais marcante do filme, ela e seu amante estão seguindo de carro quando um bloqueio popular, uma manifestação pelo fim do apartheid, os impede. Os soldados, sem conseguir reprimir a multidão, começam a atirar e uma das balas mata  -como poderia ser diferente? -, uma inocente criança. Ingrid fez o poema abaixo, que anos depois foi lido por Nelson Mandela durante a abertura do primeiro parlamento democrático, em maio de 1994.

Seu fim foi trágico, como o de tantos talentosos artistas. Após ter sido internada em manicômios por duas vezes, ela se suicida atirando-se ao mar. Nunca conseguiu o reconhecimento do pai, um escritor direitista fdp que trabalhava para a censura. Ao saber de sua morte, ele declarou: "They can throw her back in the sea for all I care."




A criança não está morta!
Ela levanta os punhos junto à sua mãe.
Quem grita África ! brada o anseio da liberdade e da estepe,
dos corações entre cordões de isolamento.
A criança levanta os punhos junto ao seu pai.
Na marcha das gerações.
Quem grita África! brada o anseio da justiça e do sangue,
nas ruas, com o orgulho em prontidão para luta.
A criança não está morta!
Não em Langa, nem em Nyanga
Não em Orlando, nem em Sharpeville
Nem na delegacia de polícia em Filipos,
Onde jaz com uma bala no cérebro.
A criança é a sombra escura dos soldados
em prontidão com fuzis sarracenos e cassetetes
A criança está presente em todas as assembleias e tribunais
Surge aos pares, nas janelas das casas e nos corações das mães
Aquela criança, que só queria brincar sob o sol de Nyanga, está em toda parte!
Tornou-se um homem que marcha por toda a África
O filho crescido, um gigante que atravessa o mundo
Sem dar um só passo.
***

Em homenagem à Ingrid, fiz o poema abaixo:


Desmedida intensidade
adoeço no teu excesso
mas só por ele me escrevo
mais que isso: subscrevo-me
escavo, deixo à mostra
todos os buracos
que a hipocrisia não cobriu:
nunca, se me mato
ainda, se enlouqueço
já enlouqueci?

1 de maio de 2017

A Mulher Que Anda Na Rua: Maria Tereza Penna





SONETO À LUA

                                Vinícius de Morais

Por que tens, por que tens olhos escuros
E mãos lânguidas, loucas e sem fim
Quem és, quem és tu, não eu, e estás em mim
Impuro, como o bem que está nos puros?

Que paixão fez-te os lábios tão maduros
Num rosto como o teu criança assim
Quem te criou tão boa para o ruim
E tão fatal para os meus versos duros?

Fugaz, com que direito tens-me presa
A alma que por ti soluça nua
E não és Tatiana e nem Teresa:

E és tampouco a mulher que anda na rua
Vagabunda, patética, indefesa
Ó minha branca e pequenina lua!

Rio, 1938



Resposta de Mª Teresa ao poetinha



Eu declamei essa poesia hoje.
No final eu disse: Só não gostei de: Vagabunda, patética e indefesa.
Instinto feminino, ou seria feminista?
Não importa...

Não era a mulher que anda na rua...
Não era uma mulher branca ou pequenina...
E quem era essa adorável Vagabunda, Patética e Indefesa?
Quem?

Quem poeta?
A quem meus lábios defenderam ou ultrajaram?
-A Lua, mulher!
-A Lua!
-A tão famosa e tão brilhante Lua!

A Lua que, tão de todos, se tornou Vagabunda...
Que de tão fiel, tão leal e de uma só cara, se tornou Patética...

De tão desejada, tão cobiçada e tão falada,
Se torna Indefesa diante das imagens
Que se traduzem em letras
Que formam as palavras.

Que alimentam as mentes vagantes
De Filósofos,
De Amantes
e de Poetas...



Memórias Póstumas de Brás Cubas: Machado de Assis



Morro da Conceição

A sátira menipeia é uma forma de sátira escrita geralmente em prosa, com extensão e estrutura similar a um romance, caracterizada pela crítica às atitudes mentais ao invés de a indivíduos específicos.


Memórias acabam em pizza

Virgília era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação. Era isto Virgília, e era clara, muito clara, faceira, ignorante, pueril, cheia de uns ímpetos misteriosos; muita preguiça e alguma devoção, — devoção, ou talvez medo; creio que medo.


Nhã-Loló: 200 anos depois, a febre amarela está de volta

Bem aventurados os que não descem 
porque deles é o primeiro beijo das moças





"O indivíduo se emociona para ficar 'fora de ação' 
e não se encarregar da vida"


Volúpia do aborrecimento

Fiquei prostrado. E contudo era eu, nesse tempo, um fiel compêndio de trivialidade e presunção. Jamais o problema da vida e da morte me oprimira o cérebro; nunca até esse dia me debruçara sobre o abismo do Inexplicável; faltava-me o essencial, que é o estímulo, a vertigem...

Para lhes dizer a verdade toda, eu refletia as opiniões de um cabeleireiro, que achei em Módena, e que se distinguia por não as ter absolutamente. Era a flor dos cabeleireiros; por mais demorada que fosse a operação do toucado, não enfadava nunca; ele intercalava as penteadelas com muitos motes e pulhas, cheios de um pico, de um sabor... Não tinha outra filosofia. Nem eu. Não digo que a Universidade me não tivesse ensinado alguma; mas eu decorei-lhe só as fórmulas, o vocabulário, o esqueleto. Tratei-a como tratei o latim; embolsei três versos de Virgílio, dois de Horácio, uma dúzia de locuções morais e políticas, para as despesas da conversação. Tratei-os como tratei a história e a jurisprudência. Colhi de todas as coisas a fraseologia, a casca, a ornamentação...


De Brás Cubas para Marcela



Leituras Suplementares

O Alienista: Machado de Assis
Tartufo: Molière
Um mapa da desleitura: Harold Bloom
Teogonia: Hesíodo
Fenomenologia do espírito: Hegel
Poética: Aristóteles
Fausto: Goethe
Amar, verbo intransitivo: Mário de Andrade
Carmen: Prosper Merrimée
O riso: Bergson
Esboço para uma teoria das emoções: Jean Paul Sartre
Recollections of Early Childhood: V. Wordsworth
The rainbow: V. Wordsworth
Memórias de um sargento de milícias: Manuel Antônio de Almeida
Cândido: Voltaire
A Divina Comédia: Dante Alighieri
Guilherme Tell: Schiller
Quincas Borba: Machado de Assis

A filosofia da miséria: PROUDHON, P-J. 





I will chide no breather in the world but myself, 
against whom I know most faults.


Morro do Livramento


Na hora certa, o amor dá certo!

A dor que se dissimula dói mais.




Amo-te, é a vontade do céu!




O Mito: Carlos Drummond de Andrade


"Que bom que é estar triste e não dizer coisa alguma!"
(Shakespeare)