CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

7 de dezembro de 2017

Uma irresistível guloseima - conto do livro das Mil e Uma Noites - Fernando Costa




- Boa noite amigas e amigos do CLIC :)

- Adivinhem o que eu mais o genial Machado de Assis temos em comum, além do fato de sermos ambos mulatos, de origem humilde, amigos da Literatura e brasileiros?

- Acertou quem disse que tanto eu quanto mestre Machado somos apaixonados pelas MIL E UMA NOITES.

- Eu falo de Machado no presente, porque pra mim ele é imortal.

- Imortal, colossal, genial, fenomenal, tudo rimando em

Estamos lendo - Cabine Individual: Gracinda Rosa






Quando, finalmente, na segurança da cabine do carro leito em que me instalara, acompanhei os ruídos e os solavancos característicos da partida do trem, pude sentir certo alívio. Ele foi se afastando, lentamente no início e depois tomando o ritmo acelerado que manteria por longo tempo. Seu deslizar pelos trilhos era suave, macio, causando apenas um leve balançar que mais parecia um embalo. Passaria toda a noite ali, sentada naquela poltrona, viajando ao encontro do desconhecido.





Autora: Rosa, Gracinda

Publicação/Edição: Nitpress. 80 p. [2007]

Sobre a Obra: "Gracinda Rosa lançou-se (de peito aberto com seu Pequenos Amores, apresentação corretíssima de Sônia Peçanha e Cyana Leahy). Agora nos traz uma experiência coloquial, ao mesmo tempo feliz e decepcionante. Mas, sem quaisquer exageros, e mediante uma linguagem de estilo cauteloso e leve, ela irrompe fronteiras de preconceitos e renova o inevitável - desejo, paixão, desengano. "

...Já era tarde para qualquer esperança. Tinha que dar um basta às ilusões."

Gracinda Rosa tem, nos seus escritos, uma ardência de juventude, embora estabeleça uma feliz convivência com a maturidade. Lemos seus romances com imensa ternura" (Renato Augusto Farias de Carvalho).




Em “Cabine Individual”, volta “Rosa”, agora mais madura, contando seu caso de amor com”Hélio”. Por ele e para estar com ele, que fora morar em São Paulo, Rosa tira um mês de férias e parte numa viagem de trem, numa cabine individual. Ali, no balanço do trem, e na cabine individual, Rosa vai relembrando tudo que aconteceu com ela e Hélio, desde que se conheceram.   Após a chegada de Rosa em São Paulo,  a narração se modifica. Rosa agora está vivendo o presente com seu amor Hélio. Foi feliz por quase 30 dias. Um pouco antes de completar esse período  (Rosa não pediu demissão do trabalho, apenas férias; era preciso se certificar se esse romance era realmente verdadeiro antes de romper com todos os laços que a ligavam a sua família e a sua cidade) , Hélio a desapontou.  Rosa descobre que ele a traía num bilhete deixado pela outra em seu paletó, quando o esvaziava para mandar para a lavanderia. E assim Rosa deixa São Paulo e Hélio,  retornando para sua cidade numa viagem de trem, numa cabine individual. Mais um amor que perdia Rosa. 

A autora mais uma vez me deixa atônita por me ver ali, em situação semelhante, ao me entregar ao amor com a mesma coragem de “Rosa” de “Cabine Individual”.


MORAL DA HISTÓRIA:


Penso que eu, assim como a “Rosa”, temos uma outra capacidade além da de amar, que é a capacidade de sonhar. Talvez por isso mesmo, nós sejamos felizes com nossos amores feitos de sonho, inocentes, platônicos,  já que no amor real  surgem a todo momento aqueles incômodos obstáculos, que afastam de nós nossos amores. (A. Ellias)

3 de dezembro de 2017

Confraternização do Clube

Olá queridos!
Aguardamos vocês para a nossa confraternização, com o debate do livro da Gracinda (Cabine Individual) e, depois, o nosso amigo secreto. 
Basta levar um livro novo de sua preferência. Faremos um sorteio e uma brincadeira que consiste em poder "roubar" o livro do colega anterior. 
Será no Bizu Bizu, Reserva Cultural de Niterói, no dia 14/12/2017, às 19h.
Imagem do site Pixabay.com

Aguardamos vocês!

Os Trabalhadores do Mar, de Victor Hugo.

Olá queridos!
Estou reproduzindo o post do meu Blog Mar de Variedade.
Finalmente, consegui concluir a leitura de outubro do Clube de Leitura Icaraí.
Já adianto que não gostei muito do livro. Li com a tradução de Machado de Assis.

Sinopse da Livraria Cultura: "Com tradução de Machado de Assis, o livro narra a luta do homem contra as forças da natureza e o poder de uma paixão. Ambientada na ilha de Guernesey, no canal da Mancha, o enredo entrelaça diversos destinos à trágica sina do marinheiro Gilliatt, que por amor à bela Déruchette, se empenha em realizar uma missão quase impossível - impedir que o coração do navio a vapor termine no fundo do mar."

É o primeiro livro que leio do Victor Hugo. Ele é considerado o principal representante do romantismo francês. Quero muito ler Os Miseráveis, pois amo o filme. 

Na Ilha de Guernesey vivem uma mulher e seu filho, ambos à margem da sociedade, pois moram em uma casa considerada mal-assombrada.  A mãe do Gilliatt morre e ele continua a viver sozinho. Ele era considerado feiticeiro pelos moradores da região. 
" A morte da mãe acabrunhou o filho. Era rústico, tornou-se feroz. Completou-se-lhe o deserto." (Posição 181 do kindle)
Um dia, ele está caminhando pela estrada quando, à sua frente, a jovem Déruchette, sobrinha do armador Lethierry, olha para trás e escreve o nome do rapaz na neve. A partir disso, Gilliatt se enamora da garota.

Algum tempo depois, uma tragédia acontece. O navio de Lethierry, principal fonte de renda do povoado, naufraga no rochedo Douvres, um lugar muito perigoso e o armador promete dar a sobrinha em casamento àquele que conseguir resgatar o navio. Gilliatt então se oferece para o resgate. 

"Mess Lethierry endireitou-se. Tinha nos olhos uma luz estranha. Tirou o boné e lançou ao chão, depois olhou solenemente para a frente sem ver resposta alguma e disse:
-Déruchette casava-se com esse homem. Dou a minha palavra de honra a Deus." (Posição 3491)
A obra contém frases bem interessantes. Quando Gilliatt está tentando fazer o resgate do navio, o autor utiliza várias delas.
"Ignorar convida a tentar. A ignorância é um devaneio e o devaneio curioso é uma força. Saber, desconcerta às vezes, e desaconselha muitas. Se Vasco da Gama soubesse, recuaria ante o cabo das Tormentas." (Posição 4718)

Não vou contar o final desse enredo, mas como um bom livro representante do Romantismo, há muito choro, amor não correspondido, tragédia... Então, dá para imaginar o final de Gilliatt e Déruchette. 

O livro aborda muito a natureza, monstros do mar, contrabando...
Não há como negar a genialidade do escritor, mas como leitora achei a leitura cansativa, por causa do excesso de descrições, principalmente na parte em que Gilliatt estava no mar, o que faz a gente se desconcentrar um pouco. 
Não desanimei de ler Os Miseráveis. Depois venho contar.

Boa leitura!

24 de novembro de 2017

Veja Gracinda Rosa, encontrei o Hélio* do seu romântico "Cabine Individual"




- Boa noite amigas e amigos leitores!

- Assistindo mais uma vez, ontem, esse belíssimo documentário que é "Human", de Yann-Arthus Bertrand, adivinhem quem eu encontrei.

- Acertou quem disse o irresistível Hélio*, de "Cabine Individual", de autoria de nossa amiga Gracinda Rosa, próximo livro que debateremos em nosso indispensável

17 de novembro de 2017

Carambola da Bola Preta e da Bola Vermelha - Os Trabalhadores da* MAR de Victor Hugo - Audio 1



Boa noite amigas e amigos!

- É com prazer que partilho com vocês um dos primeiros áudios que gravei, dos meus extratos favoritos de OS TRABALHADORES da* MAR* de Victor Hugo, lido recentemente neste indispensável Clube de Leitura Icaraí.

- Detalhe, quando o gravei, ainda não tinha inventando meu

12 de novembro de 2017

Confraternização 2017

Olá, Clube!

Sobre nossa confraternização, 

será no Bizu Bizu

Reserva cultural, mesa externa lateral

dia 14/12, às 19h. 





,  Iremos debater o livro da Gracinda 




Cabine Individual




e depois teremos o nosso amigo secreto. Não é obrigatório participar, mas será muito legal se quiser. Cada um leva um livro novo de que goste ( não irei estipular valor). Não precisa embrulhar, pois colocaremos todos na mesa expostos. Será assim: quem for participar, assinará uma lista e colocará seu livro na mesa. Cada um sorteará um número. O número um poderá escolher entre todos os livros da mesa. O número 2 poderá escolher os da mesa ou roubar o livro do número um, que poderá escolher outro da mesa. O número 3 pode roubar do anterior ou pegar o da mesa. Só pode "roubar" do colega anterior. É só pra ficar mais divertido! Aguardo todos!


6 de novembro de 2017

Os loucos anéis de Saturno - sobre o último e divertido debate do CLIC :) - Fernando Costa


- Enquanto que as FFLMN* lincharam-me vivo, como se eu fosse o perverso Judas Iscariotes em pleno Sábado de Aleluia...

(- Ha ha ha ha ha ha – estou rindo aqui, pra não chorar amigas e amigos do CLIC.)

 (- Logo eu que pretendia confiar-lhes um plano secreto, para as mulheres