CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

8 de julho de 2014

Levantado do chão: Edmar Monteiro Filho




            O escritor tcheco Milan Kundera, em "A arte do romance", cita a obra "Os sonâmbulos", de Hermann Broch, como uma das reflexões mais importantes acerca dos eventos que marcaram os primórdios do século XX na Europa. Broch apresenta a Primeira Guerra Mundial como o ápice de um processo de degradação dos pilares que sustentavam a civilização ocidental desde o início da Idade Moderna. O espetáculo da mortandade em escala inimaginável colocou em cheque valores morais, éticos, religiosos. Kundera mostra que, a partir do tema do homem confrontado com a derrocada de uma era, Broch aponta três alternativas. Na primeira delas, diante da ruína inevitável dos valores fundamentais, restaria ao homem apegar-se fanaticamente aos fragmentos desse mundo em decadência. Uma segunda possibilidade seria a busca irracional por novos valores. Assim, o homem se entregaria a filosofias com as mais disparatadas propostas, comportamentos extremos, cultos a personalidades aberrantes, refugiando-se sob o manto da ilusão para fugir ao desamparo. Por fim, numa terceira hipótese, tudo seria permitido diante do vazio; cada um criaria suas próprias leis, mergulhando o mundo num caos de egoísmo e violência.

            Pensadores das mais diversas áreas refletiram acerca desse momento da história humana, quando uma espécie de decepção generalizada se abateu sobre o mundo, fruto das promessas não cumpridas pelo sistema capitalista e pela tecnologia, incapazes de promover o advento de um mundo melhor e mais justo. Dentre esses pensadores, Marx teve papel fundamental, na medida em que suas ideias inspiraram as alternativas mais importantes ao sistema econômico e social em que vivemos, nitidamente baseado na desigualdade e na exploração. Na literatura, não foram poucos os autores cuja escrita sofreram forte influência do pensamento marxista, dentre eles o português José Saramago.

            "Levantado do chão", de 1980, é o terceiro dentre os numerosos romance publicados pelo escritor, e aquele em que mais se evidencia sua opção pelos oprimidos dentro das relações de poder. A ação transcorre na região do Alentejo, num período que vai do início do século XX até meados da década de 1970. Nesse cenário, um narrador onisciente – com o qual é fácil identificar o próprio autor – faz o papel de mestre de cerimônias, convidando o leitor a acompanhar a história de gerações de camponeses pobres da família Mau-Tempo. Sobre o pano de fundo das transformações políticas que levam Portugal da monarquia à república e depois à ditadura, transcorre a existência dos trabalhadores, marcada pela opressão e pela miséria. Se os regimes políticos alteram as formas de acesso ao poder, deixam intocadas as relações sociais no campo. Patrões, autoridades e Igreja mantêm seus privilégios, enquanto os camponeses lutam pela sobrevivência num cenário imutável de verdadeira escravidão.

            Mas esse narrador que opina, toma partido, compondo sua narrativa com a marca da oralidade, vai dando voz aos personagens, num movimento que tende a apresentar uma tomada de consciência. Na primeira geração, os Mau-Tempo pouco dizem por si mesmos. Mas essa mediação vai sendo progressivamente substituída, a atitude submissa e conformada dando lugar ao anseio por mudanças. E se o narrador segue tutelando esses personagens, vai também se "ficcionalizando", declarando suas opções narrativas, misturando-se, de certa forma, a essa massa de descontentes que começa a se erguer e desafiar sua condição. Vão rareando as repetidas comparações dos trabalhadores com animais; multiplicam-se os trechos em que a dura realidade vai sendo retratada com emocionantes toques de poesia, à medida em que aflora a consciência crítica dos camponeses, conduzindo-os da passividade à ação.

            O anticlericalismo de Saramago faz-se presente em diversos momentos. Não por acaso, será Padre Agamedes, guia espiritual da comunidade explorada e aliado dos poderosos, a apontar o declínio da "Santíssima Trindade" do poder instituído: o latifúndio abandonado em prol da urbanização que se anuncia, o Estado conservador ameaçado pelo socialismo e a Igreja perdendo fiéis. Assim, o narrador/Saramago mantém a esperança na redenção de sua gente. Se Hermann Broch enxerga o fanatismo, a ilusão ou o desencanto como opções para o mundo, Saramago acredita numa salvação por obra da conscientização e organização das massas oprimidas. É assim que o escritor acaba fazendo de "Levantados do chão" uma grande profissão de fé.

SARAMAGO, José. Levantado do Chão. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2ª ed., 1989, 366p.



Um comentário:

  1. Edmar, muito obrigada pelo excelente texto que nos motiva a ler mais essa obra do grande José Saramago.Já tinha vontade de conhecer esse enredo e, diante de seus comentários, essa vontade só fez aumentar. Tomara que o CLIc o eleja como leitura, pois aí, mais interessante ficará esse compartilhamento.
    Um abraço da admiradora desse intelecto brilhante,
    Eloisa Helena

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.