CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

29 de outubro de 2013

CLIc 15 anos: viagem a Conservatória dá o que contar (Parte IV)

Momentos sublimes (I)




Acima, Zezé cantando Força Estranha e, em seguida, Cris e Dília declamando. Abaixo, poema declamado ao final do Café-concerto e gentilmente enviado por Cristiana .



SE EU FOSSE UM PADRE

Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
– muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,
não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,
Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!
Porque a poesia purifica a alma
...e um belo poema – ainda que de Deus se aparte –
um belo poema sempre leva a Deus!

(Mario Quintana)



Abaixo, poema lido e gentilmente enviado por Marise ao final do encontro

SONETO DO AMIGO

Enfim, depois de tanto erro passado

tantas retaliações, tanto perigo
eis que ressurge noutro o velho amigo
nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado

com olhos que contêm o olhar antigo
sempre comigo um pouco atribulado
e como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano

sabendo se mover e comover
e a disfarçar com o meu próprio engano

O amigo: um ser que a vida não explica

que só se vai ao ver outro nascer
e o espelho de minha alma multiplica...


(Vinicius de Moraes)


5 comentários:

  1. Bendito, bendito o fruto,
    Entre dúzias de mulheres
    Tens passe, salvo conduto,
    Mas só a Rita tu queres. (I, num grande abraço)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ilnea, acordei pensando em te pedir uma trova para nossa viagem e não é que ao ligar o PC a encontro? Que transmimento de pensação! Maravilha! Ah, lá tinha também o motorista, bem apessoado, mas o povo ... não aproveitou, rsrsrs.

      Excluir
  2. "Transmimento de pensação!"

    Eu li... e virei menina
    voltei ao "tempo criança"
    "Transmimento", a mim, ensina
    que ainda resta esperança.

    "Pensação", longe me leva,
    e o que comigo isso faz?
    Clareia uma certa treva
    Que o tal futuro me traz.

    Da vida passei tres quartos
    que fui deixando pra trás
    mas descobri outros fartos
    momentos de "quero mais".

    Já não sou mais a menina
    que mora dentro de mim
    mas descobri, minha sina,
    é só... do começo ao fim.

    Não importa quanto tempo,
    ainda falta ou está sobrando,
    e sem nenhum contratempo...
    ... eu levo a vida ... trovando.

    Para você, gentil Rita Magnago, e para todos que mergulharem em mim. Beijins... e... me aguardem!!!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E por levar a vida a trovar
      é que ‘I’ não tem idade
      sempre nos levando a sonhar
      e de seus versos sentir saudade

      (Com carinho e esperando revê-la na reunião)

      Excluir
  3. Ficou lindo o vídeo-registro do canto e da poesia Se eu fosse um padre...Arrepiou-me! Parabéns às apresentadoras!
    Elô

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.