CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

8 de agosto de 2016

Travessia do Verso: Rita Magnago




Amigos do Clic,


Querida Rita,

Faço minhas as palavras de todos quanto à beleza de sua festa.

Seu livro maravilhoso! Poemas belíssimos! A capa elaborada primorosamente por Newton e as pinturas de Amanda e Helena, na capa e contracapa. O vídeo de Newton projetado por Felipe. Adorei ver Amanda com sapatinho vermelho, de salto alto, fotografando! Que bela família!

Sei que a alegria não foi completa. No seu coração havia, certamente, um misto de alegria pela concretização de um sonho há tanto acalentado, ter seu primeiro livro publicado, e a tristeza pela ausência de sua filhinha Helena. Gibran Khalil Gibran, falando da amizade, disse: "quando seu amigo se cala, vosso coração continua a ouvir o seu coração" e mais ainda: "...e na doçura da amizade, que haja risos e o partilhar dos prazeres" ao que eu acrescentaria: e o partilhar das tristezas e emoções.

Amiga bondosa, magnânima e sensível, você foi cercada por tantos amigos que, juntos, partilharam de sua alegria e tristeza. Nossos corações batiam em uníssono. Como disse, belamente, Antonio, a chuva que caía naquele momento era o símbolo de que novas sementes germinarão. Sementes de paz e alegria com a recuperação completa de nossa querida Helena. A chuva trazia as bençãos do céu para você e toda a família.

Beijos para todos.

Elenir




9 comentários:

  1. Cosa nostra: La famiglia CLIc per la famiglia Barra

    ResponderExcluir
  2. Ficou muito lindo o vídeo. Parabéns!!!!!!!!!!!!!1

    ResponderExcluir
  3. Amigos, nada do que eu possa dizer será suficiente para agradecer a vocês pela presença, pelas palavras, pela lembrança, pelo afeto compartilhado, por toda essa energia que o clube tem e transmite de forma tão magistral. Obrigada, thank you, merci, gracias, ...

    ResponderExcluir
  4. No canto da sala havia um verso choroso.
    Quando viram, perguntaram e descobriram
    que havia se perdido do poema.
    E saíram pelas ruas procurando a poesia,
    um poema que por certo se ressentiria
    da falta daquele verso choroso.
    Mas, não. Encontraram-no feliz, contente
    por ter deixado o choro para trás.
    Argumentou que um poema é para sempre
    enquanto todo choro é fugaz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Newton, posso relativizar essa assertiva do personagem-poema. Seu poema-conto é tão lindo, e não seria tão lindo se não fosse o choro. Fiquei com tanta pena delezinho (tadinnnnho). De mais a mais, só sabemos dar valor ao sorriso ou a felicidade quando nos encontramos com o choro. Esse seu poema além de genial, tem no eu lírico-poema, um egocêntrico rsrsr. Quantas vezes não choro de tanta felicidade, principalmente quando belos e tristonhos versos me atingem a alma hã.

      Excluir
  5. Querida Rita:
    Concluí a "travessia" que você, corajosamente, nos convidou a fazer com seu belíssimo livro. E olha que eu hoje posso dizer que leio poesias com outros olhos, pois até então eu me desconcentrava ao iniciar qualquer leitura do gênero. Mas você me pegou de jeito, com sua verdade e intensidade presentes em cada verso. Meu livro está todo rabiscado com frases que muito me chamaram a atenção pela beleza, pela criatividade e pela sua força de SER exatamente o que você é, sem máscaras, verdadeira e linda, linda, linda ... Destaquei muitos poemas, mas aqui vou citar "SE EU FOSSE VOCÊ" (PG.50), apaixonante, como o que ele encerra em seu conteúdo (amor e sexo). É de uma sensualidade a toda prova. Lindo mesmo. E olha que antes de eu acabar, já sabia que ele havia sido feito para o "novaes/" (rs). Cito também "LUA DO MEU CORAÇÃO" (PG.73), um primor de beleza e criatividade - ah, a lua sabe de tantos segredos ... e também ama quando se esconde - e todos pensam que é eclipse. Danadinha essa escritora, quanta imaginação. Cito também "CRESCIMENTO" (PG. 81), mostrando com maestria as fases do "ser" desde o nascimento até a velhice. Demais!!! Cito também um poema pequenininho "APRENDIZADO" (PG.92): me levou ao mar e achei o final muito lindo - "Fico feliz, meu coração vê." Tem muitos outros que poderia ficar citando aqui, mas aí eu praticamente transcreveria TODO o livro. Mas não posso deixar de me referir à orelha do livro pois Carlos Rosa foi feliz demais nos comentários do livro e de você, Rita. Finalmente destaco sua "dedicatória" que eu achei genial logo no início (pg.3): "Dedico este livro à alma livre e poética que habita cada um de nós, ainda que não saibamos". Depois dessa, não tenho mais nada a dizer, só agradecer pelo presente que nos deu, Rita, com esse seu livro. Parabéns. Beijo de sua leitora e fã ..... Angela Ellias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hummmmmm Angela, minha bússola localizou-me na pág. 19 dessa travessia, mas pelo seu mapa-panorâmico, vislumbro afogamento a vista nessas águas poéticas, para dizer a verdade, as águas desde o início da jornada estam turbulentas. Mas estou firme e sem medo. Acho que será um iminente e desejado naufrágio. rsrsr. Adorei seu comentário.

      Excluir
  6. Parabéns pelo livro!!! Adorei o vídeo!

    Parabéns, beijos e Sucesso!

    Fernando.

    ResponderExcluir
  7. Môzi, que belo poema, tão bom pensar que vão-se as lágrimas e fica a poesia. Angela, darling, sinto tanta falta dessa sua graça e profunda sensibilidade em nossas reuniões. Você continua sendo a miss simpatia do Clic, viu? Agradeço de coração seus comentários, muito bom saber que o que nos move pode emocionar a outros. E, cá pra nós, Se eu fosse você e Lua do meu coração são os meus preferidos também, rsrsrs. Muitos beijos.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.