CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

1 de maio de 2012

Un CLIc d'oeil sur l'Art


Luzia Veloso
 Li a matéria postada sobre a entrevista do nosso caro escritor Carlos Rosa, feita ao importante e respeitado poeta Romano de Sant'Anna. Como falaram também sobre arte quis expressar algumas ideias sobre Marcel Duchamp, um dos protagonistas do movimento dadaísta que  fêz crítica a pintura estática, inovando como no caso da obra "Nu descendo uma escada" dando a mesma um movimento, um ritmo de formas. Cria nesse momento com sua capacidade de observação e inteligência liberta de princípios estabelecidos, um novo olhar sobre a pintura dando-lhe um caráter mecânico. Ela foi para Nova York em 1913. De lá pra cá e hoje, quantos artistas se inspiram nesse homem das ideias! Muitas e várias ideias!
 
A segunda imagem em anexo é do artista que apresenta a obra; Marcel Duchamp tousuré par Georges de Zayas em 1921. A fotografia é de Man Ray.
Para quem aprecia Duchamp, há um livro "Marcel Duchamp: Engenheiro do Tempo Perdido", que é uma entrevista a Pierre Cabanne, que segundo alguns, o autor e entrevistador foram conversando, conversando com o intuito de "tirar" algumas ideias do entrevistado, sem que ele soubesse disso... seria isso? Não sei. Só sei que é um livro bem interessante que muito nos conta de um certo despojamento do artista, que num dado momento da entrevita diz: "Não atribuo uma grande importância a aquilo que considero melhor; é simplesmente uma opinião. Não tenho intenção de proferir um julgamento definitivo a propósito de tudo isto".
     
Há uma série de slides com ótimo texto em "Marcel Duchamp- le manieur de gravité" que é uma obra mais didática com as principais obras de Duchamp.

     Dois ensaios reunidos no livro "Marcel Duchamp ou o Castelo da Pureza" de Octavio Paz, que é  "um encontro marcante na estréia da vanguarda, pois raramente um renovador audaz, como foi Duchamp, tem a ventura de conseguir um intérprete e crítico a altura",  muito nos acrescenta sobre Duchamp.

     Um livro bom para entendermos o que foi o movimento dadaísta, escrito por um artista daquela época é: "Dada: Arte e Antiarte de Hans Richter." Comenta sobre a efervescência da Arte naqueles anos. Muitos artistas buscando caminhos e aprofundando ideias. Há críticas, reconhecimentos, que certamente contribuíram para o surgimento de novos momentos na arte  que perduram até hoje, sempre com aquela velha questão: O que é Arte?

    Bem, queridos leitores do CLIc! Muito me emocionou rever estes pontos que abordei aqui. Fui tentando alinhavar os pensamentos e espero que outras oportunidades surjam para podermos revirar nossos baús, não é?

   Beijo carinhoso, parabéns para o Carlos pela entrevista e obrigada pela oportunidade.

3 comentários:

  1. Luzia, ótimas informações. Mas sugiro que dê um coup d'oeil lá nos livros (ou resenhas deles)do Affonso Romano que são citados na entrevista. É uma outra visão, e muito interessante.
    Um forte abraço.
    Carlos.

    ResponderExcluir
  2. Olá,Luzia, parabéns, muito bom texto, esclarecedor. Mas creio que será interessante dar um coup d'oeil nos livros do Affonso Romano mencionados na entrevista de o Literato, ou em entrevistas nas quais ele fala sobre o assunto. É uma visão diferente sobre Duchamp. Eu conhecia pouco o francês, mas agora vi os dois lados e essa dicotomia é muito enriquecedora.

    ResponderExcluir
  3. E obrigada a você, Luzia, por todas essas informações preciosas para amantes das artes.
    Bjs.
    Elô

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.