CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

6 de abril de 2017

Livro: Frankenstein, de Mary Shelley

Olá queridos!
Li esse livro no ano passado e gostei muito, por isso indiquei para o CLIc. Será nossa leitura em maio. Espero que gostem tanto quanto eu. Segue o post que fiz na época no meu blog Mar de Variedade
Esse foi o livro lido no mês de outubro no Clube de leitura Leia Mulheres de Niterói-RJ.
Vocês poderão obter mais informações na página do grupo no facebook. 
Temos escolhido livros temáticos. Então, outubro, que é mês de halloween, escolhemos um livro com esse tema de terror.
O livro me surpreendeu positivamente. Achei fantástico.

Sinopse: O livro conta a história de Victor Frankenstein, que vai estudar na Universidade de Ingolstadt, e fica fascinado com os conhecimentos que adquire. Acaba criando um ser monstruoso. 



Na introdução ao livro, a autora nos conta que o livro começou meio como uma brincadeira, pois certo dia na Suíça, quando chovia muito, Lord Byron sugeriu que cada um dos presentes escrevesse uma história de fantasmas. Daí surgiu esse clássico do terror.
O livro começa com cartas de um capitão, Robert Walton, à sua irmã Margaret contando suas aventuras no mar em direção ao Polo Norte. 
Walton acaba salvando Frankenstein, que lhe conta sua história: que era de Genebra; que seus pais adotaram a órfã Elizabeth; que, aos 17 anos, seus pais resolveram mandá-lo para a Universidade de Ingolstadt; que sua mãe faleceu e, no leito de morte, falou que gostaria de ver a união de Frankenstein e Elizabeth; que na Universidade passou a se dedicar às ciências naturais; que o professor Waldman exprimia cordial entusiamo com o seu sucesso; que, após dias de trabalho, tornou-se capaz de conferir vida à matéria morta; que, após dois anos de trabalho, criou um monstro, tendo se arrependido da sua criação.

"(...)como é perigoso adquirir saber, e quão mais feliz é o homem que acredita ser a sua cidade natal o mundo, do que aquele que aspira a tornar-se maior do que a sua natureza permite." (trecho do livro)

A leitura do livro é fluida. A escrita da autora é poética. Apesar de ser um livro clássico de terror, conseguimos ver poesia em sua escrita. 
A autora conseguiu criar uma história bem original para a época, sobre esse ser que é criado da montagem de partes de pessoas mortas. O Victor Frankenstein, ao se deslumbrar com o conhecimento que adquire, quer "brincar" de ser Deus, criando um ser monstruoso, mas se arrepende após a criação e passa a questionar sobre a aquisição de conhecimento pelo homem.
O livro acaba trazendo muitas reflexões. Podemos analisar o relato do Victor e também do monstro que não se chama Frankenstein, como muitos acreditam. 
O monstro narra para o seu criador que tentou fazer o bem, mas que as pessoas não o aceitavam, por causa da sua aparência, o que fez com que se tornasse mau. Uma outra discussão boa também: essa questão de darmos tanta importância à aparência. 
Não posso contar mais do que isso para não dar spoiler, mas vou recomendar muito o livro, pois a leitura é incrível, assim como toda a história. 
Recomendo!

Sobre o filme:




Há algumas adaptações para o cinema. Eu assisti ao filme Frankenstein de Mary Shelley. Eu não gostei muito da adaptação. Além de terem modificado um pouco a história, achei que o filme não teve todo o encanto que a leitura do livro proporciona. É um filme razoável!

2 comentários:

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.