CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

14 de janeiro de 2016

O mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Rotterdam: Evandro Affonso Ferreira



Óssip  Mandelstam

Oh, como a hipocrisia
seduz, e como se esquece
que em criança se está mais perto
da morte que na velhice.

Ébria de sono, a criança
sorve ao menos a ofensa do pires,
mas eu – com quem me amuaria? –
sozinho estou, em todos os caminhos.

Não quero dormir como um peixe
no desmaio fundo das águas,
é-me querida a escolha livre
dos meus cuidados, dores e mágoas.

Fevereiro – 14 de Maio de 1932




 
Vivemos sob o signo da corrupção e da carência


Hieronymus Bosch, O jardim dos prazeres terrenos,1504

Deus em sua sagrada inexistência consegue jeito nenhum ajudar ninguém. 

Apenas o ser humano pode ser prestativo ao ser humano, 

apesar de sermos o lobo de nós mesmos. 







Este livro fala sobre um 

homem atormentado que 

experimenta a proximidade 

dolorosa do mundo. O 

romance fala de temas como 

loucura, amor, abandono e 

solidão, devido a uma carta

 que o protagonista recebeu 

de sua amada, dizendo 

'Acabou-se; adeus'.





Ela virá, eu sei!





Nossa trajetória de vida é inexorável. 




Selene e Endimião


10 comentários:

  1. Esse cara já era mendigo antes mesmo de ser abandonado pela amada, se não tiver sido abandonado por isso mesmo. Como ele lhe dizia " você não muda nunca", vejam só, isso confirma que ele já era mendigo antes, apenas não se enxergava.

    ResponderExcluir
  2. Uma questão que é levantada nesse livro é sobre quem tem mais prazer na relação sexual, o homem ou a mulher? Concordo in totum com a conclusão do corifeu maltrapilho.

    ResponderExcluir
  3. Vcs sabiam q Erasmo, em 1525, fez uma longa crítica ao "enxame de novos livros", q ele considerava 1 empecilho ao aprendizado? Ele punha a culpa nos editores, cuja ânsia de lucro os fazia encher o mundo de livros "tolos, ignorantes, malignos, loucos, caluniadores e subversivos." Desconheço seus adágios, são bons? - Daniel

    ResponderExcluir
  4. "Para o homem feliz, todos os países são sua pátria." - Estimo que ao Newton não lhe agrada esse adágio de Erasmo de Rotterdam!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este Newton aqui aprova 100% este adágio. E viva o internacionalismo. John Lennon já cantou um mundo sem fronteiras, grande sonho da humanidade.

      Excluir
  5. Que bom que haja mendigo, pelo menos na literatura, que saiba de cor os adágios. Na realidade, há muitos que têm posses, se dizem cultos e nem sabem o que é um adágio, nem quem era Erasmo de Rotterdam. Depois comento mais. Não estou me referindo, evidentemente, ao meu amigo Newton, citado acima. Este é realmente culto e embora não gostando de um livro, direito que lhe assiste, é incapaz de fazer chacota com uma obra literária.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  6. Peço-lhes desculpas se, ontem, fui um pouco agressiva defendendo o admirável mendigo. Mas já tinha ouvido e notado tanta implicância com ele, que me aborreci e deixei extravasar meu sentimento. Grande personagem!

    ResponderExcluir
  7. Diz o dicionário que mendigo é o que vive da caridade alheia. Neste sentido, acho que somos tomos mendigos. Ermitões à parte, dependemos do amor, da compreensão, da solidariedade de alguns, pelo menos. Já esse mendigo que sabia de cor os adágios deveria ter privilegiado outros saberes mais úteis ou cativantes porque o personagem é um saco. Achei o livro monocórdio, desinteressante, enfadonho ao extremo.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.