CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

19 de janeiro de 2016

Todos reunidos em torno da obra


Cineclubes e clubes de leitura são uma ótima opção para quem quer conhecer novas obras e discuti-las
Assistir um filme e ler um livro podem ser experiências agradáveis e enriquecedoras. Consumir cultura já faz parte do dia a dia de muitas pessoas, mas poucos se aventuram a expandir essa experiência, saindo da zona de conforto e descobrindo um novo mundo que pode acabar gerando amizades e discussões sobre o que é lido ou assistido. É o caso do Clube de Leitura Icaraí e o Cine Nikiti, clubes que reúnem as mais variadas pessoas em torno de publicações e títulos também variados. Os dois grupos promovem encontros mensais para debater o livro ou filme sugerido no mês anterior.

O Cine Nikiti começou a partir de um convite do Solar do Jambeiro para que o Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD), órgão ligado à Subsecretaria de Ciência e Tecnologia, produzisse um evento de cinema no espaço cultural. Este convite veio após a produção pelo NPD da 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul, que aconteceu em março de 2015 no Teatro Municipal de Niterói reunindo mais de 600 espectadores em apenas 5 sessões.

“Além da parceria com o Jambeiro, temos também a parceria com a Niterói Filmes, responsável pela parte operacional (telão, projetor, som) do cineclube. O Cine Nikiti teve início no dia 20 de maio, com a exibição de ‘Sem Pena’, documentário de Eugenio Puppo. Após a exibição do filme houve debate sobre população carcerária e sistema prisional. Neste primeiro dia tivemos 163 espectadores”, conta Miguel Vasconcellos, responsável da produção do Cine Nikiti.

O NPD produz também o Cine Debate, que traz discussões sobre diversos filmes, trazendo especialistas sobre os temas abordados, enriquecendo os debates dos cinéfilos. Desde o primeiro Cine Nikiti há frequentadores cativos que acompanham todas as edições do cineclube e alguns que aparecem para ver determinados filmes. O público vai de estudantes universitários a idosos, mas, em sua maioria, é um público jovem. Em algumas sessões, acontecem até sorteios de ingressos para peças de teatro. 

“A melhor parte é ver um público tomando contato e descobrindo filmes brasileiros autorais e de qualidade que não são exibidos em cinemas ou lançados em DVD e na TV aberta. O papel dos cineclubes, e do Cine Nikiti, é exatamente de levar essa produção nacional ao público. Estar envolvido em um projeto como esse me dá uma satisfação enorme”, expõe Miguel.
Já o Clube de Leitura Icaraí, em contrapartida com o recém-criado Cine Nikiti, funciona desde outubro de 1998, tendo mais de 150 livros em seu histórico de leitura, entre autores consagrados nacionais e internacionais, incluindo escritores de Niterói. Muitas vezes até incluíram os escritores do livro em debate, como Silviano Santiago, Rubens Figueiredo, Godofredo de Oliveira Neto, e muitos outros.
“O clube começou com um grupo de amigos que decidiu ler o mesmo livro e se reunir posteriormente para comentá-lo. O resultado foi gratificante, cada vez mais pessoas queriam participar. Então, levamos o clube para um espaço público onde a entrada fosse franqueada para que toda a comunidade niteroiense pudesse entrar”, explica Evandro Paiva, responsável pelo clube de leitura. 
O funcionamento do clube é bem simples. A cada mês é escolhido um título. Ao final das reuniões os participantes sugerem os livros que desejarem e, a partir disso, se faz uma votação com os presentes. Não há restrição quanto a gêneros e nacionalidade dos escritores, tudo é feito de forma bem democrática. A partir do livro escolhido, os leitores falam sobre suas impressões da leitura e fazem análises segundo sua própria experiência de vida, sem restrição quanto à maneira que cada um interpreta a obra. O encontro começa com uma breve exposição do leitor que indicou o livro sobre a razão de tê-lo indicado, sua avaliação, e os demais leitores podem intervir com suas ponderações. Evandro afirma que as discussões são o verdadeiro motivo do clube ter sido criado.

“O encontro proporciona a troca de experiências com outros leitores, favorece a formação de novas amizades a partir das afinidades encontradas no debate. Essa colaboração amplia consideravelmente a nossa percepção da obra lida. Nosso clube tem revelado ao longo dos anos que a literatura pode ser mais que um simples prazer lúdico, pode criar laços e promover o surgimento de novos poetas, escritores e, sobretudo, novas amizades” diz Evandro.
O Clube de Leitura de Icaraí se encontra às segundas sextas-feiras mensais, das 16h às 18h, na livraria da EdUFF, que fica na Rua Miguel de Frias, 9, em Icaraí. O Cine Nikiti retoma suas atividades apenas em março, no Solar do Jambeiro, que fica na Rua Presidente Domiciano, 195, no Ingá.

O Fluminense

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.