CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

21 de janeiro de 2016

Livro: O mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Rotterdam, de Evandro Affonso Ferreira

Olá queridos!
Vou reproduzir o post que fiz no meu blog Mar de Variedade.

Esse livro de título comprido foi o livro do mês do Clube de leitura Icaraí. Infelizmente, não consegui ir à reunião, mas vou falar um pouquinho sobre minhas impressões.

Sinopse Editora Record: 


"VENCEDOR DO PRÊMIO JABUTI - Categoria ROMANCE

A obsessão com a originalidade da linguagem sempre foi uma marca registrada de Evandro Affonso Ferreira, cuja literatura, iniciada em 2000 com o elogiado Grogotó, chegou a ser comparada à de Guimarães Rosa. Mas agora, aos 66 anos e em seu sexto livro, o escritor está mais reflexivo. Deixou de lado o cuidado excessivo com a forma, mas sem abrir mão da musicalidade, do cuidado com as palavras, da concisão — o que já vinha fazendo desde seu romance anterior, Minha mãe se matou sem dizer adeus, vencedor do Prêmio APCA de melhor romance de 2010 e finalista dos prêmios São Paulo de Literatura e Jabuti de 2011.
Neste belo e devastador O mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Rotterdam, o autor volta a abordar temas “tenebrosos”, como solidão, loucura, decrepitude, morte. Por trás do longo título está a história de um homem culto, profundo conhecedor da obra do filósofo holandês, que, depois de ser abandonado por sua amada, perdeu a razão e transformou-se em um morador de rua. Um romance “niilista-lírico”, como define o próprio autor, em que ele abre mão do parágrafo, apresentando-o de um fôlego, valendo-se com habilidade do fluxo de consciência.
Há dez anos vagueando pelas ruas do centro de uma metrópole à procura de coincidências poéticas que lhe aplaquem tristeza, dor e solidão, um homem atormentado experimenta a proximidade dolorosa do mundo enquanto espera o retorno de sua amada — a que lhe deixou bilhete dizendo “ACABOU-SE; ADEUS”.
Seu mantra, ladainha ou refrão, repetido incansavelmente, “ELA VIRÁ— EU SEI”, impulsiona-o a seguir adiante mesmo que não haja um rumo certo. Sem poder nomeá-la ou mesmo ancorá-la em algum porto seguro nos seus pensamentos, escreve a lápis em todos os espaços vazios da cidade a letra N, inicial do nome da amada, e lança desafio aos deuses do esquecimento trazendo o tempo todo à memória os momentos de intimidade afetiva e intelectual vividos ao lado dela.
Levando consigo os Adágios de Erasmo de Rotterdam, esse mendigo erudito conhece tudo sobre vida e obra do humanista holandês — sim, o mesmo do Elogio da loucura. E narra o tempo todo sua história a um interlocutor-escritor imaginário, a quem chama de “senhor”. Ambos, narrador e interlocutor, estão debaixo de um viaduto entre tantos outros personagens-mendigos, que de miseráveis anônimos e insólitos se transformam em criaturas extraordinárias na imaginação do mendigo-poeta, como a “mulher-molusco” e o “menino borboleta”."


O protagonista, um mendigo, anda para todo lado com os Adágios do autor Erasmo de Rotterdam, aos quais ele chama de seus "salmos".
O livro não tem parágrafos, talvez para demonstrar um pouco da loucura desse mendigo que fala repetidamente da sua amada, que o deixou.
Ele fala de seus colegas mendigos, da vida nas ruas, do que os leva para isso. Fala também do mau cheiro que eles têm e ainda que são maltratados nos lugares por onde passam, pelo mau cheiro que exalam. 
O protagonista cita frases de Erasmo de Rotterdam, enquanto conversa com o interlocutor.
O livro, apesar de tratar da miséria humana, da loucura, tem uma certa poesia nas palavras do narrador, que continua apaixonado por sua amada, que o deixou há dez anos, mas que ele ainda tem esperança de encontrá-la e de reatar o relacionamento amoroso. 


Boa leitura!

6 comentários:

  1. Obrigada.Gostei de ler seus comentários
    A reunião sb o livro no CLIC foi bastante efusiva

    ResponderExcluir
  2. ADOREI!
    Como não li o livro e nem participei da reunião, pude, com essa sinopse, ter uma noção geral do livro.
    Obrigada, Andreia.
    Beijos ternos,
    Vera

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito da sinopse que você postou, Andreia.
    Obrigada! Beijos.Desejo-lhe um bom domingo.
    Elenir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado, Elenir. Bom domingo!

      Excluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.