CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

19 de julho de 2015

Análise da Paixão: Rejane




 Tal como indicado no início do livro e percebido ao longo da leitura, a obra de Clarice se aproxima do Mistério. A narrativa é puro desencadeamento de pensamentos, que não se preocupam com o externo, mas com a riqueza interna que cada personagem tem dentro de si. Por isso é difícil de enquadrá-la como um romance tradicional, talvez realmente se aproxime do que V. Wolf escreveu a respeito do futuro do romance. E é isto que é o diferencial da obra de Clarice. Ela conseguiu atingir o que V. Wolf já antevia. A literatura de Clarice, ao meu ver se aproxima muito da “poesia” nesse sentido.

Poderíamos enquadrá-la, talvez, como literatura do fantástico, tal como observamos em Jorge Luis Borges, que chegou a mencionar, certa vez, que utilizava muito do material de seus sonhos em sua obra. Torre de Babel poderia ser um exemplo disto, mas ele se apropriava também da vasta cultura que tinha.

Mas falando especificamente da Paixão segundo G.H., vejo uma certa proximidade com Kafka em Metamorfose, quando Gregor narra seus pensamentos ao se ver transformado em um escaravelho. É meio grotesco, tal como a barata de Clarice, mas é apaixonante observar a riqueza da transformação interna dos personagens.

Acredito que Clarice realmente tenha tinha “insights” ao observar fatos corriqueiros; isto é recorrente em sua obra, tal como a partir de um cego mascando chiclete na rua consegue perdoar Deus no conto ou crônica “Perdoando Deus” (o qual recomendo a leitura). O olhar do artista é de fato apurado. Simples acontecimentos do cotidiano se transformam em obras de arte na mão destes. Admiro esse olhar atento e ao mesmo tempo “desligado” de Clarice.

Agora sobre ao que de fato ocorreu naquele quarto de GH, está claro para mim que foi a morte de uma vida pautada no externo, a partir da imagem que os outros e ela própria tinha dela, superficial, de extrema humanidade, no sentido de atrelamento ao “ego”, o que gera dor, pensamentos e sentimentos, para uma percepção totalmente diversa da “realidade”. Aquela a qual sua vida estava anteriormente atrelada era uma ilusão1, esta nova está muito mais próxima das sensações, do sentir, mas um sentir muito acima dos mero cinco sentidos que o humano usa para viver neste mundo.

Consigo observar isto em alguns trechos do livro quando GH “ vê através de um copo cheio de verde” ou quando fala de “som vibrando surdo", bem como quando fala da falta de tradução por palavras das sensações vivenciadas. Acredito que nós não somos treinados para tanto; se nunca fomos “lá" como poderemos reconhecer aquilo que ela relata. Tal como a própria personagem fala a respeito de traduzirmos em palavras o que vimos para um cego que nunca viu. Ou quando acrescenta “eu não estava mais me vendo; estava vendo... diferentes modos que significam “ver” : um olhar o outro sem vê-lo, um possuir o outro, um apenas estar num canto e outro estar ali também; a barata não me via com os olhos mas com o corpo (o corpo enxerga)... "eu estava saindo do meu mundo e entrando no mundo”.

No que se refere à “humanidade” retratada, GH diz que “Havia humanizado demais a vida” . Faz também uma separação entre os humanos e “não humanos, este tendo como contraponto o eterno, que representa o eterno2, o neutro, o não-tempo, o aqui e agora. Esse processo de desumanização vivenciado permeia todo o romance. A narrativa é basicamente sobre isto, principalmente quando acrescenta que a maior descoberta é que o mundo não é humano e de que não somos humanos (talvez nossa essência).

Outro ponto fundamental a respeito da descoberta desse não humanos que somos é a entrega ao momento presente, o instante, o momento já, o agora em sua plenitude, o tempo inchado até os limites ou como ela própria diz de um “passado como contínuo presente e futuro ou, ainda acrescenta “ a hora de viver estava sendo tão já que eu encostava a boca na matéria da vida”, ou quando equipara o presente ao nada, ao insosso, ao neutro, à face hoje de Deus e diz que o “o reino dos ceús já é”. Mas para se ter consciência deste agora é preciso estar consciente, atento3.

O presente, este não-tempo, é visto como o que há entre os números, as notas musicais, o espaço entre dois grãos de areia, nos interstícios da matéria primordial está a linha de mistério e fogo que é a respiração do mundo, e a respiração contínua do mundo é aquela que ouvimos e chamamos de silêncio . E o quarto, ao meu ver, poderia ser a representação desse não-tempo quando diz que “o quarto era a alta monotonia de uma eternidade que existia” … O quarto não tinha um ponto que se pudesse chamar de seu começo, nem um ponto que pudesse ser considerado o fim. Era de um igual que o tornava indelimitado.”

A reminiscência é outro aspecto na linha de pensamento da personagem, quando fala da vida pré-humana ou volta à origem da criação e diz que “eu já havia vivido com os primeiros bichos da terra” … “dois minutos depois de nascer e eu já havia perdido minhas origens” . Ou quando afirma que começou a marcha desde a pré-história caminhando sob o deserto, não tendo guia, mas perdição. Acrescenta: não sabia fazer a pergunta, mas a resposta já veio pronta assim que nascera; como um cego que não sabe perguntar sobre aquilo que nunca viu, sem saber perguntar sobre o que não sabia que existe.
 
O deserto é outra palavra usada constantemente no texto, comparando este ao “neutro”. Se resgatarmos o simbolismo da Bíblia tem-se que o deserto significa encontrar a nós mesmos, nossa essência. Isto é retratado na narrativa quando menciona “o deserto tem uma umidade que é preciso encontrar de novo”... “enlamaria a poeira até que nascesse umidade daquele deserto” , ou seja, a vida. Adiciona: “eu caindo séculos e séculos dentro de uma lama era lama, e nem sequer lama já seca mas lama ainda úmida e ainda viva, era uma lama onde se remexiam com lentidão insuportável as raízes de minha identidade”.

No que se refere a equiparar o viver (= desumanização4) ao sobrenatural, GH deixa isto bem claro quando diz “Essa coisa sobre natural que é viver” e relata seu encontro com o que chama de Deus ou Amor, por meio do reconhecimento da carência inerente a todos nós (talvez essa falta do útero, em que passamos a vinda inteira inconscientemente voltar). Traz ainda Deus como sinônimo de natureza – tal como o Criador é sinônimo de Natureza na cabala – ao dizer que “eu sabia que se atravessasse os portões que estão sempre abertos entraria no seio da natureza”, ou seja, entraria na ”unidade" a que liga todos nós e que convencionou-se chamar de “Deus”. E complementa “Eu talvez já soubesse que, a partir dos portões, não haveria diferença entre mim e a barata. Nem aos meus próprios olhos nem aos olhos do que é Deus.”
 
A personagem ainda confessa que a arte nos aproxima desse Mistério, ou porque trabalha com o inexpressivo – visto como “demoníaco” -ou por trazer uma calma quase sem alegria, quando trabalhava com escultura. Via o Mistério, ainda, como imanente ao ser humano quando, por exemplo, olhava sua fotografia e esta lhe revelava um silêncio no sorriso; um silêncio e um destino que a escapavam; “via O Mistério” ; ela era imagem do que não era. Tal como um dia veria no “outro”, que é parte dela mesma e do todo, quando afirma “vou te dizer que te amo” .

Para se viver realmente é preciso ter coragem ao assumir a carência, que se fosse revelada assustaria aos outros por ter saído dos regulamentos. E se “der o grito de alerta de estar viva, poderá ser arrastada por ter saído para fora do mundo possível.” .
 
A revelação do que se é e do que é o mundo depende de admitirmos essa carência. Aquilo que eu fizer do pedido e da carência esta será a vida que terei feito de minha vida (tenho que admitir internamente esta carência e de que dependo Dele). Para tanto, tem-se que aumentar infinitamente o pedido que nasce da carência (e o pedido é ser o mundo tal como Deus; simplesmente ser tudo ao mesmo tempo, ser a imagem e a semelhança Dele). Reafirma isto ao acrescentar que Deus queria que me igualasse a ele por um amor de que não sou capaz... Ele queria que eu fosse como ele o mundo - porque ele é tudo - ele queria minha divindade humana - santidade humana que não é a dos santos- em vez de sermos o Deus - assim como os outros seres O são, inclusive a barata que se entrega a ele e sua vida é um contínuo infinito - queríamos vê-lo.
 
Acrescenta que sua carência surgira de quando fora expulsa do paraíso e perdera o lado inumano. Afirma que a solidão é apenas destino humano; é não precisar; não precisar deixa o homem muito só. Mas a carência é o nosso destino maior, falta apenas o golpe da graça que se chama paixão.
 
Essa paixão é na maior parte das vezes adiada quando se inventa o futuro e esperança, justamente porque tinha pouca fé; adiava a atualidade como promessa de futuro... prescindir da esperança significa ação (é viver o agora)...a esperança machuca (gera expectativas que podem ser frustradas) . Não aguentamos essa luz sempre atual e a prometemos para depois.

A paixão pode muitas vezes vir sob a forma de violência somos felizes porque não há uma única forma de entrarmos em contato com a vida, inclusive, a dor, enquanto acordados. Deus sempre esteve, quem esteve pouco fui eu...podemos abrir caminho para ele por meio da violência... Ele nos escolhe e nos violenta ...minha pobreza extrema será uma grande vontade... tenho que me violentar até não ter nada e precisar de tudo.
 
Pelo o que parece, esta paixão não é afeta a todos, visto que se sabemos pouco de Deus é que precisamos pouco dele - muitas pessoas se bastam com sua vidas e são “felizes. A nostalgia é sabermos que não somos o bastante - para atingir esse grau de “alegria”que a personagem relata. Sofremos na realidade por ter tão pouca fome de Deus - ...a partir do momento que passamos a ter fome e querer Ele acima de tudo ficamos abaixo ou acima da dor- ...quanto mais precisaremos mais Deus existe.
 
E precisar Dele depende da prece verdadeira ...O que é Deus estava mais no barulho neutro das folhas ao vento (intenção) que na minha antiga prece humana (falação, sequência de palavras). A menos que eu pudesse fazer a prece verdadeira, e que aos outros e a mim mesma parecia a cabala de uma magia negra, um murmúrio neutro. Essa prece neutra seria apenas ser.
 
Para GH a desistência é a revelação... desistir do que chamávamos de “vida”... eu não alcançaria jamais a minha raiz, mas tinha a confiança de que ela existia. Para tanto, há a necessidade de despersonalizar-se - o que me caracteriza, como sou vista pelos outros e como sou superficialmente reconhecida em mim-visto que a vida é vista como missão secreta de despersonalizar-se (retirar as grilhões do ego) e buscar o indivisível , o que só poderá ser me dado através do fracasso de minha linguagem...inútil encurtar o caminho, pois a trajetória somos nós mesmos.

Deus não é bonito e não é uma conclusão O mundo não tem intenção de beleza (nem tampouco perfeição)... Deus é o que existe e todos os contraditórios estão dentro de Deus. GH encontrou um Deus que é indiferente , pois não é bom ou mal (é o neutro – a linha do meio). Para ela a vida não tem sentido apenas no humano... é muito maior... entregar-se com confiança de pertencer ao desconhecido...estava tão maior que não se via mais (quando não se vê mais, acredito que se apazigua o ego e passa-se a enxergar o outro, visto que quem atinge a personalização atinge ao outro sem qualquer disfarce.
 
No que se refere a chegar próximo do outro, GH fala de uma bondade diferente daquela dos santos, Basta viver, e por si mesmo isto resulta na grande bondade. Quem vive totalmente está vivendo para os outros, quem vive a própria largueza está fazendo uma dádiva. Em outro ponto acrescenta que O pecado renovadamente original é este: tenho que cumprir a minha lei que ignoro – conhecer-se e conhecer ao mundo é a lei que, mesmo inalcançável não pode ser infringida com o pecado original perdemos a máscara com que nos cumpriríamos.

O estado de graça é inerente a todos nós.. a questão é se arriscar a conhecer isso em si... existe permanentemente. E conclui GH que só dependemos de nós para realizarmos nosso destino final.


 Notas:

1 Quando fala na esperança da vida anterior como ilusão e questiona quem garante que a vida anterior também não foi inventada. Ou, mais a frente quando diz Mas se inventei o que ontem me aconteceu – quem não me garante que inventei toda a minha vida anterior a ontem?

2 ...de nascer até eu morrer é o que eu me chamo de humana... eu nunca propriamente morrerei...eu sempre estivera em vida

3 “...Estava atenta, eu estava todo atenta....- quem sabe aquela atenção era minha própria vida”. (…) Mais que atenção ã via, era o próprio processo de vida dentro de mim”.

4 a desumanização é tão dolorosa como perder tudo





2 comentários:

  1. Belíssima análise, de alguém que é profunda conhecedora da obra de Clarice. O livro, realmente, parece uma experiência mística, revolucionária. Parabéns, Rejane!

    ResponderExcluir
  2. ADOREI TAMBÉM!
    UMA AVALIAÇÃO SÉRIA E DEDICADA!
    Elô

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.