CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

2 de setembro de 2016

Perplexidades & Similitudes, contos de Cyana Leahy

Olá queridos!

Estou postando o texto que publiquei no meu blog Mar de Variedade.

Tive a oportunidade de ler esse livro de contos da integrante do Clube de Leitura Icaraí, Cyana Leahy.

Para quem não a conhece, ela é Professora universitária, escritora, tradutora, editora e pianista; é phD em Educação Literária, Mestra em Educação, graduada e licenciada em Letras, graduada em Música, Palestrante em congressos e simpósios e autora de 18 livros. 

O prefácio desse livro foi escrito por ninguém menos do que o saudoso escritor Moacyr Scliar, autor de "A Mulher que escreveu a bíblia", entre outros.


Trata-se de uma coletânea de contos e minicontos. 
Alguns me agradaram mais que outros, como em qualquer livro de contos. A gente acaba se identificando mais com alguns específicos. 
Achei que a sua escrita passa uma verossimilhança das situações. 
Seus contos falam de amor, sexo, amizade, viagens, situações do dia a dia...
O meu conto favorito dessa coletânea é "Perplexidades e Similitudes" que dá nome a essa obra.

O Moacyr Scliar assim falou desse conto:
"No conto Perplexidades & Similitudes, o impacto e o desafio estão já na frase inicial: 'Pedro foi o primeiro caso de amor que não tive.' Este amor que podia ter sido e que não foi gera uma pungente narrativa que nos emociona e nos faz pensar. (...)"

O conto demonstra muita sensibilidade ao descrever os sentimentos de duas pessoas que se amam, mas que, por alguns percalços da vida, não podem ficar juntas.

"Naquele tempo eu não sabia reconhecer o que sentia. Negava, ignorava, não queria saber. Naquele tempo eu não queria conhecer a mulher que eu era, tanto era o medo de ser diferente. Havia um modelo a seguir, havia normas e leis e sempre fui obediente. (,,,)" (p.55)

"E quando pude então parar, juntei o quebra-cabeças em cem pedaços de indícios, juntei gestos e palavras soltas, juntei Pedro e todo aquele amor em um abraço de Natal." (p.56)

Enfim, são histórias para serem lidas e saboreadas aos poucos.

Recomendo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.