CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

1 de junho de 2017

A Cabanagem - O levante.



Resultado de imagem para a cabanagem
A Cabanagem foi o movimento popular mais violento que eclodiu no período regencial (1831-1840). A revolta começou na madrugada do dia 7 de janeiro de 1835, conforme o Dicionário Brasileiro das Batalhas, com a tomada do quartel de artilharia e do palácio de governo do Grão-Pará, na então cidade de Santa Maria de Belém, capital da província. A adesão ao Império do Brasil, em agosto de 1823, fora muito traumática, de modo que a animosidade contra o governo continuou a afluir por todo estuário do Amazonas, em cada ponto da província.
A elite paraense queixava-se de não participar das decisões locais e do abandono que fora relegado o Grão-Pará pelo Rio de Janeiro. Já a população pobre, constituída de índios, negros (escravos e libertos) e mestiços - os cabanos - clamava por melhores condições de vida, devido a extrema miséria em que vivia às margens dos rios, ilhas e igarapés em pequenas cabanas de palha. É nesse quadro que Bernardo Lobo de Souza é nomeado presidente da província, em dezembro de 1833.
O ano de 1834 seria marcado por hostilidades entre o governo e os cabanos. Tais hostilidades chegam às margens da intolerância, quando Lobo de Souza, com seu temperamento autoritário e explosivo, instaura a perseguição e manda prender as lideranças cabanas. A maior autoridade entre os cabanos, desde a adesão do Grão-Pará ao Brasil, era o cônego Batista Campos. Para não ser preso, o cônego se refugia na fazenda de Félix Clemente Malcher, de onde passa a planejar a tomada do poder junto aos demais líderes. O fazendeiro e dono de engenho Clemente Malcher fora aprisionado.  
O cônego Batista Campos, entretanto, veio a falecer no dia 31 de janeiro de 1834, dias antes da eclosão do levante, devido a uma infecção causada por um corte no rosto ao barbear-se com uma navalha. As forças do governo ainda comemoravam a sua morte, quando tropas cabanos e da guarda municipal, comandadas por Antônio Vinagre, iniciam o levante. O presidente Lobo de Souza e o Comandante das Armas, tenente-coronel Joaquim José da Silva Santiago, são brutalmente assinados e seus corpos profanados, depois de arrastados para frente do palácio do governo.
A barbárie toma conta de Belém: os cabanos executam os oficiais e soldados que resistiam ao levante, apoderando-se das armas e munições. Não obstante a libertação de Clemente Malcher e sua elevação a presidente da província, os cabanos marcham em caçadas sangrentas aos portugueses e àqueles que julgavam não “patriotas”. Muitos prédios comerciais e residenciais são invadidos e saqueados, e as mais terríveis e repugnáveis atrocidades executadas.
De temperamento rude, Malcher não consegue controlar a desordem. Também não demora entrar em conflito com o Comandante das Armas, Francisco Pedro Vinagre. Então, ao acusar e mandar prender o jovem líder cabano Eduardo Angelim “por conspirar contra o governo”, Malcher acaba por sucumbir às tropas de Francisco Vinagre, após intensa batalha que dura todo o dia 19 de fevereiro. Já no dia 20, Malcher é covardemente assassinado a caminho da prisão, enquanto Francisco Vinagre assume o governo.
Em junho de 1835, após longa pressão do clero paraense, Francisco Vinagre acaba por renunciar a favor de Manuel Jorge Rodrigues, indicado pela Regência para presidente e Comandante das Armas. No entanto, Manoel Rodrigues não consegue pacificar a província, como também deixa de cumprir o acordo de anistia, mandando prender Francisco Vinagre. No dia 14 de agosto, após nove dias de combate, os cabanos retomam Belém, sob o comando de Eduardo Angelim e de Antônio Vinagre, este último morre em combate.
Os cabanos assumem novamente o governo do Grão-Pará, mas muito sangue ainda seria derramado, pois o conflito só termina em 1840, cinco anos depois.
NOTA: Continua com o artigo “Da pacificação ao extermínio”.
Visite nosso blog: 

Preto no Branco por Wagner Medeiros Junior

5 comentários:

  1. Muito legal aprender história assim, contada de forma dinâmica que nos deixa ansiosos pela continuação. Obrigado pelas lições de nossa história, Wagner!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo amigo, A segunda parte estarei postando na próxima semana. Cada pesquisa para um novo artigo é também um aprendizado enorme. Bom que não tenhamos desistido de aprender, não é mesmo, Evandro?

      Excluir
  2. Teria alguma história pra contar, Wagner, sobre a guerra do Brasil contra a Guiana Francesa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo Evandro, Tenho dois artigos sobre a tomada de Caiena. Creio que pelo menos um já publiquei aqui no Blog, com o título de "A tomada de Caiena". Essa investida portuguesa, quando a família real se encontrava no Brasil, foi uma retaliação de D. João a Napoleão Bonaparte pela invasão de Portugal. Naquela época a Guiana se resumia quase que exclusivamente à Caiena, a capital. Sua tomada foi bastante rápida, pela limitação das tropas locais. O tema é realmente muito instigante!

      Excluir
  3. Evandro,
    Há alguns poucos anos tenho trocado os grandes romances pelos livros de História. Muita coisa não é ensinada nas escolas e a descoberta da nossa verdadeira história foi muito importante para mim. Estarei presente aqui, ávida pelos seus conhecimentos. Parabéns.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.