CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

31 de outubro de 2009

La conciergerie

Você sabe o que é um “concierge”? “Concierge” é o profissional que trabalha em prédios residenciais (ou hoteis) e tem como função manter a ordem e supervisionar as regras gerais do prédio. Na prática, um “concierge” resolve tarefas diversas. Em apartamentos residenciais, ele é responsável pelas correspondências, provê informações a residentes e visitantes, controla o acesso ao prédio, reforça as regras, e na ausência de um administrador, exerce papel intermediário entre o deste e o de um residente. Entre o século IXX e início do século XX, em prédios residenciais, em particular de Paris, um pequeno apartamento no andar térreo era sempre reservado à moradia do “concierge”, a fim de facilitar a este o acompanhamento da entrada e saída de pessoas. Hoje, este profissional, em moldes tradicionais é cada vez mais raro, sendo encontrado somente em prédios mais tradicionais da Europa. Em hoteis de luxo, um “concierge” é o profissional a partir do qual se espera que quase o “impossível seja alcançado”. Para atender ao pedido de um hóspede, não importa o quão estranho este pedido seja, o “concierge” deve dispor uma lista sem fim de contatos ao redor do mundo que possam lhe ser úteis. Profissional altamente qualificado, deve ter dentre características marcantes, uma combinação de simpatia, desenvoltura, elegância, requinte, sofisticação, informação, inteligência, capacidade de comunicação, além de expressar confiança e ética. Versões variadas do “concierge” são encontradas pelo mundo. No Brasil, por exemplo, derivações mais simples desta profissão são exercidas pelo zelador, porteiro, ou caseiro. Nos Estados Unidos podemos citar o “caretaker” ou o chamado “handy man”.

Embora a imagem do “concierge” inspire um toque de elegância e sofisticação, a história revela um lado mais sombrio desta personagem. A origem do nome “concierge” é incerta. Uma das possibilidades, é que tenha derivado do termo francês, “comte des cierges”, que significa “contador de velas”, em referência aos serviçais que trabalhavam em castelos de nobres da era medieval. Outra possibilidade é que tenha derivado do francês “cumcerges”, (com + cera) ou do latin “conservius”, que por sua vez deriva de “conservus” (com + servo), em referência a serviçais ou guardas responsáveis por cuidar de prisioneiros em castelos medievais. Em Paris, “La Conciergerie” é uma construção em estilo gótico, que hoje faz parte do complexo do Palácio de Justiça, na Ilha de la Cité, próxima à Cathedral de Notre-Dame. No século X o monumento tornou-se o Palácio da Cidade, sede do poder real francês, até que no século XIV, o rei Carlos V, deixou o Palácio, o qual foi convertido em prisão do Estado. O “concierge” era um oficial de alto escalão, indicado pelo rei para manter a ordem e supervisionar as regras e registros dos prisioneiros. A “Conciergerie” designava a princípio o alojamento do “concierge” e depois, por extensão, a prisão onde este mantinha seus prisioneiros. Durante a Revolução Francesa, centenas de prisioneiros foram retirados de “La Conciergerie” para execução na guilhotina (dentre eles, Maria Antonieta e Madame du Barry).

Uma peculiaridade do Clube de Leitura Icaraí é ter um “concierge”.

O grupo institui um modelo de gestão suis generis onde ao invés de coordenador, chefe, presidente ou gerente tem um “concierge” …”
A brincadeira surgiu durante o mês de leitura de “A Elegância do Ouriço”, que tem uma “concierge” como protagonista da estória. O apelido foi carinhosamente dado ao moderador do grupo, após repetidas declarações do mesmo de que o clube não tinha um “dono”.

Um leitor de nosso Clube me disse que o que achava legal no Clube é que ele era sem dono. Pensei cá comigo “sem dono é a casa da mãe Joana”, o Clube tem dono sim e somos nós, leitores. “O leitor é um grande mistério ... como sempre, a palavra final é do leitor". (Milton Hatoum)
Embalada pela leitura do mês e sentindo-se sem referencial por pertencer a um grupo sem dono, uma das integrantes se referiu carinhosamente ao moderador como “concierge”:

Como o ... concierge que zela pelo grupo, já comentou …”
Embora momentaneamente reativo,
... eu li nas entrelinhas. Concierge do grupo ... só me faltava essa! O grupo tem bentinhos, capitus, o filho do escritor e agora um ... ouriço, que pela conotação usada está mais para um ouriço deselegante.”
numa declaração de reconhecimento pelo papel unificador exercido pelo moderador, o elegante ouriço foi quase que automaticamente acolhido pelos demais membros como “le concierge” do Clube de Leitura de Icaraí. Assim, apesar de não ter um dono declarado, o grupo certamente teria alguém que zelasse pelo mesmo.


Na reunião de abril, o moderador foi presenteado com uma campainha, a qual, desde então presente em todos os encontros, tornou-se símbolo de nosso diferencial.


Para quem não sabe, a campainha foi presente… para o nosso concierge colocar ordem na festa que acontece a cada reunião.”
Generosamente adotando o título, o democrático “concierge” ressalta a importância e deixa espaços abertos à “conciergerie”.
O Clube depende das pessoas terem alguma disponibilidade para fazerem as coisas acontecerem e naquele momento eu era uma delas. Puramente circunstancial. Calhou de alguém dizer que eu era o concierge do clube, … e como em um passe de mágica, todos começaram a me chamar de concierge. Adotei o apelido porque me identificava com a personagem e porque vi uma manifestação de carinho nessa designação... Acredito que surgirão outros concierges e personagens ao longo das leituras que vêm por aí para dar esse colorido tão divertido às discussões e manter o clima festivo que tem caracterizado os encontros.”
Nem a temeridade,  o tradicionalismo, ou a eficência, a “conciergerie” do Clube de Leitura tem como traço marcante, a livre iniciativa dos próprios participantes, que de modo voluntário, cada qual com seus próprios interesses e fazendo uso de dotes particulares, contribuem de alguma forma para a continuidade dos encontros.
Somos o concierge do Clube de Leitura Icarai!
Voilà, le concierge!!! Voilà, la conciergerie du Club de Lecture de Icaraí!