CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

26 de junho de 2009

Crime e castigo (Преступление и наказание)

Crime e Castigo: Fiódor Dostoiévsky - 25/06/2009(excepcionalmente em uma quinta-feira) para participação especial do prof. Paulo Bezerra, tradutor da obra.

"É de grande importância, na tradução de um escritor genial ..., estar bastante familiarizado com o autor e sua obra como um todo e tentar ser, ao máximo, fiel à sua linguagem e à sua maneira de escrever, para que o leitor possa, através delas, percebê-lo e entender os seus objetivos. Conseqüentemente, se sua linguagem é coloquial, ..., é indispensável usar a mesma linguagem coloquial na tradução. Cabe, no entanto, ter bem claro em mente que uma tradução nunca pode ser perfeita, pois são distintas as índoles das línguas em questão e há, às vezes, coisas intraduzíveis, armadilhas a serem vencidas,  como  é o caso dos puns - jogos de palavras - tão usuais entre os escritores de língua inglesa, como Shakespeare e Joyce. Puns ou jogos de palavras cada língua tem os seus, e eles são intransferíveis, precisando ser, portanto, de uma certa forma contornados, sempre que possível, sem alterar o sentido dado pelo autor ao contexto. 
...
São essas dificuldades, entre outras, que tornam maior o desafio de traduzir uma obra..., e somente o leitor poderá testemunhar se o meu objetivo de divulgar ... foi alcançado, ao se aventurar comigo nesta jornada..."
(Bernardina da Silveira Pinheiro, em tradução de Ulisses, de James Joyce)

(estofando)