CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

3 de outubro de 2017

Vídeo de uma tempestade nas costas da Bretanha, França - OS TRABALHADORES DA MAR - Curiosidade sobre a vida e obra de Victor Hugo 3




- Boa tarde amigas e amigos do Clube de Leitura Icaraí, se vocês quiserem ter uma ideia do drama que viveu Gilliatt sobre o rochedo Douvres durante a tempestade... Não através das soberbas palavras de mestre Vicor Hugo, mas assistindo imagens testemunhais em movimento, deem uma olhada no
vídeo abaixo. Eu lembro-me de ter tido medo de morrer uma vez por minuto durante trinta horas consecutivas quando atravessei o Golfo de Gasconha (ou Biscaia) em pleno inverno europeu, a partir de 7 de fevereiro de 2013, a bordo do catamarã canadense "Ocean Son". Após esta experiência eu decidi que nunca mais teria medo em minha vida. O medo é excitante, mas em overdose, torna-se assaz desagradável, terrível, insuportável.

Fernando Costa

"OS TRABALHADORES DA* MAR de Victor Hugo, com tradução de Machado de Assis, realizada aos 22 anos de idade - Segunda parte - capítulo - "O Combate" Tal era a eventualidade. Gilliatt aceitou-a, e, terrível, ele a queria. Nesse naufrágio de todas as suas esperanças, morrer primeiro convinha-lhe a ele, morrer primeiro, porque a máquina fazia-lhe o efeito de uma pessoa. Levantou com a mão esquerda os cabelos colados nos olhos pela chuva, apertou o martelo, inclinou-se para trás ameaçante, e esperou. Não esperou muito. Um ribombo deu o sinal, fechou-se a abertura pálida do zênite, precipitou-se uma rajada de chuva, tudo tornou-se escuro, e não houve outro facho mais que o relâmpago. Começava o sombrio ataque. Possante vagalhão, visível entre os relâmpagos, levantou-se a leste além do rochedo Homem. Parecia um grande rolo de vidro. Era verde e sem escuma nem ondas. Inchava aproximando-se; era um largo cilindro de trevas rolando no oceano. A trovoada roncava surdamente. Esse vagalhão chegou ao rochedo Homem, partiu-se em dois e continuou. Os dois pedaços juntos tornaram a ligar-se, e fizeram uma grande montanha de água, e, de paralela que estava ao quebra-mar, tornou-se perpendicular. Era uma vaga com a forma de uma viga. Atirou-se ao quebra-mar aquele aríete. Rugiu o choque. Tudo desapareceu em espuma. Não se pode imaginar o que são essas avalanchas de neve que o mar ajunta, e debaixo das quais engole rochedos de mais de 100 pés de altura, tais, por exemplo, como o grande Anderlo, em Guernesey, e o Pináculo, em Jersey. Em Santa Maria de Madagáscar, saltam por cima da ponta de Tintingue. Durante alguns instantes o rolo de mar tapou tudo. Só ficou visível um montão furioso, uma escuma imersa, a alvura de um sudário flutuando no vento do sepulcro, uma mistura de ruído e de tempestade debaixo da qual trabalhava o extermínio. Dissipou-se a escuma. Gilliatt estava de pé."


2 comentários:

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.