CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

12 de agosto de 2017

Apresentação de OS TRABALHADORES DA* MAR de Victor Hugo: Fernando Costa




- Foi por causa da minha grande admiração por OS TRABALHADORES DA* MAR que tornou-me navegante solitário, apaixonado por ilhas e evitando continentes...

- Sim, felicidade pra mim é velejar em solitário rumo a uma ilha desconhecida de preferência pequena, de preferência pouco habitada ou melhor ainda deserta e bem longe da costa, embora meu nome seja Fernando Costa. :)

- Desde que ouvi pela primeira vez essa incrível estória, (contada pelo meu pai, quando eu tinha 8 anos de idade) decidi inconscientemente transformar-me em Gilliatt...

- Tarefa das mais difíceis, pois que Gilliatt é o SUPER HOMEM de ASSIM FALAVA ZARATUSTRA de Nietzshe romantizado por Victor Hugo.

- Gilliatt é capaz de façanhas heroicas, everestianas, colossais.

- Quem sou eu pra querer ser Gilliatt?!!!

- Gilliatt é uma estrela brilhante de primeira grandeza e eu um mísero e obscuro asteroide perdido nos confins do Universo.

- Eu, navegando,não chego a ser a sombra do cão de Gilliatt...

- Ué, mas Gilliatt não possuía e nem gostava particularmente de cães.

- Gilliatt amava os pássaros, isto sim.

- Gilliatt comprava pássaros dos moleques de Guernesey, só pra libertá-los no minuto seguinte.

- Gilliatt, segundo as más línguas, é herdeiro do diabo e segundo as boas línguas filho querido da* divina* MAR...

- Sim, sim, Gilliatt é tão extraordinário que foi adotado pela divina* MAR, que abre caminho, durante as tempestades, para que ele passe incólume, a bordo de seu cascudo veleiro, arvorando quatro velas, que nenhum outro marujo conseguiu jamais domar...

-  Apesar da imensa importância de Gilliatt em OS TRABALHADORES DA* MAR, os perspicazes leitores e leitoras do simpático Clube de Leitura Icaraí perceberão rapidinho que o verdadeiro protagonista deste meta-romance ou se preferirem anti-romance é a* divina* MAR, em todos os seus estados, desde a* mar-de-azeite das calmarias equatoriais até a* mais tempestuosa das* mares, que segundo Victor Hugo, não pode ser outra que a* MAR da MANCHA onde navega Gilliatt desde sempre...

- O livro é como já lhes disse um meta-romance, obra da mais alta maturidade do autor de "Os Miseráveis" e de "Notre Dame de Paris".

- Na essência, o livro é um profundo ensaio filosófico e poético, apesar de escrito em prosa, sobre a ”obra-prima da Mãe Natureza”, os oceanos do planeta Terra.

- Pra vocês terem uma ideia de até onde vai minha paixão pelo OS TRABALHADORES DA MAR, digo-lhes que eu só fotografo para ilustrar meus extratos favoritos desse livro ímpar e inigualável...

- Sim, sim, adoro combinar fotografias com extratos favoritos dos meus livros favoritos.

- Vejam por exemplo esta combinação aqui, mais esta aqui e mais esta aqui.







- Gostaram amigos?

- Teria muitas outras coisas importantes a  dizer-lhes sobre os TRABALHADORES DA* MAR, mas como meu tempo é curto e o de vocês mais ainda, direi só mais uma coisa.

- O livro divide-se em três partes:

PRIMEIRA PARTE – Clubin

SEGUNDA PARTE – Gilliatt

TERCEIRA PARTE – Déruchette

Clubin,  importante personagem da nossa estoria sui-generis é o maior de todos os patifes que esse mundo já viu. Um salafrário travestido de cidadão digno, um homem acima de qualquer suspeita, que passa a vida inteira com a cara feia escondida por trás de uma máscara de honestidade, para aplicar um único golpe de mestre ao fim da vida. Golpe este que acaba...

De Gilliatt já falamos.

De Déruchette a jovem e bela musa de Gilliatt direi apenas que ela, como a maioria das brasileiras idem, adora “assistir novela televisiva”, essa praga, essa faculdade de todas as patifarias e por causa desse lamentável vício, acaba trocando "ouro legítimo" por "latão vagabundo".

Gostaria de chamar  atenção de vocês para três capítulos do livro, que para mim são três pequenas obras-primas dentro de uma colossal obra prima.

- Quais?






“O que se vê e o que se entrevê”





“Os ventos do largo”



Gostaria de convidá-los para visitar a exposição virtual da Biblioteca Nacional da França intitulada – L’homme Océan, sobre Victor Hugo.





 que possuiu uma sala chamada LES TRAVAILLEURS DE LA MER (Os Trabalhadores da* MAR).





Último comentário: OS TRABALHADORES DA* MAR, foi traduzido pelo mais inteligente dos brasileiros,  Machado de Assis, aos 22 anos de idade, e vocês poderão ler gratuitamente esta preciosa tradução online, no seguinte link:  Os Trabalhadores do Mar - Wikisource




Grande abraço a todas e a todos.



Fernando Costa, a sombra do cão que Gilliatt jamais teve... :)



Ahhhh, só mais uma palavrinha, que no final das contas é uma sugestão - gravem a leitura do extrato do livro favorito de vocês (5 minutos) e tragam no dia dos comentários, salvo num pendrive, pra gente realizar um troca-troca.


2 comentários:

  1. Olá Fernando, por que é que você se refere ao título do livro de Vitor Hugo como sendo os trabalhadores da mar, mar no feminino? Alguma outra razão que não a de mar ser uma palavra feminina no francês?

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.