CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

24 de junho de 2017

A filha perdida: Elena Ferrante




- Posso fazer uma pergunta íntima?
- Vamos ver.
- Por que você deixou suas filhas?
          Pensei, procurei uma resposta que pudesse ajudá-la.
- Eu as amava demais e achava que o amor por elas impedia que eu me tornasse eu mesma.









“Que bobagem é pensar que é possível falar de si mesmo aos filhos antes que eles tenham pelo menos cinquenta anos. Querer ser vista por eles como uma pessoa e não como uma função. Dizer: sou sua história, vocês começam comigo, escutem, pode ser útil.”





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.