CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

11 de março de 2017

Desespero: Sonia Salim


Edvard Munch - Desespero


Estou movida por uma grande angústia
e tomada pelo desespero
que emana de minha alma

Nas minhas veias flui melancolia

A desolação tomou conta de mim inteiramente

Não fossem os diálogos de nossos olhos
ao suicídio, eu já teria sucumbido
esse silencioso devorador de vidas

Talvez o meu coração seja ambíguo
duvidoso e direcionado a contradições

Ou essa paixão tenha sido voraz
incapaz de conviver com o medo
da separação e do vazio

Frustrações imaginárias...

Oh, meu grande amor!

Ensina-me a estabilizar o desespero
através do brilho do seu olhar

Eu não quero morrer!



      Sonia Salim

1934 - Alberto Moravia

Poema feito a partir da leitura do livro 1934, Alberto Moravia.




16 comentários:

  1. Sonia..eu sou tiete do livro 1934...gostei da poesia.;volto a colocar a frase inicial..".pode se sobreviver ao desespero sem pensar na morte"(algo assim)...Digo que sim e deve-se.; .desesperos fazem parte da vida e não da morte..desesperos podem ser atenuados se pudermos entender seu significado.....Ceci

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ceci, muito grata pelo comentário. Foi muito boa a leitura do livro "1934", poder entender um pouco do contexto em que os personagens estavam vivendo e ser impulsionada a escrever um poema. Valeu a força para que lêssemos! Abraços!

      Excluir
  2. Gostei muito do poema!
    Fiquei interessada em entrar para o Clube de Leitura de Icaraí.
    Como faço? Abraço
    Vanessa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Vanessa. Agora preciso pedir ajuda aos clicianos... Como fazer, amigos? Entrar em contato com o "concierge"? Abraços!

      Excluir
  3. Desesperar jamais
    Aprendemos muito nesses anos
    Afinal de contas não tem cabimento
    Entregar o jogo no primeiro tempo

    Nada de correr da raia
    Nada de morrer na praia
    Nada! Nada! Nada de esquecer

    No balanço de perdas e danos
    Já tivemos muitos desenganos
    Já tivemos muito que chorar
    Mas agora, acho que chegou a hora
    De fazer Valer o dito popular
    Desesperar jamais
    Cutucou por baixo, o de cima cai
    Desesperar jamais
    Cutucou com jeito, não levanta mais

    Ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, Ivan, "desesperar, jamais"! Obrigada pela visita e comentário. Abraços!

      Excluir
  4. Parabéns, Sônia, pelo seu belo poema! Não demora o livro sai, estou certa. Você escreve bonito e com muita emoção.
    Abraços.
    Elenir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Elenir, boa noite! Muito grata, querida. Há alguns entraves técnicos para que o livro inicie, mas no tempo certo ele virá. Vamos aguardar. Beijos!

      Excluir
  5. Respostas
    1. Boa noite, Rosemary Timpone!!! Muito obrigada, pelo comentário. A leitura nos impulsiona e não tem jeito... rs Beijos!

      Excluir
  6. Oi Sonia, parabéns pela poesia. O tema do desespero, do suicídio, é realmente instigante. A literatura é uma excelente forma de expressão. Ansiosa pelo seu livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Rita, a leitura abre horizontes e nos inspira. Obrigada pelo comentário. Beijos!

      Excluir
  7. Parabéns Sonia! Belo poema, sensível, e que traduz bem o livro "1934". A busca do olhar, de um brilho que "estabilize o desespero" e nos faça desistir do suicídio. Seu poema me fez enxergar o outro lado do desespero: a paixão (onde os olhos brilham, algo insanos, num tipo de suicídio delicioso). Ou seja, a estabilização do desespero se dá com a paixão, que é o outro lado do desespero, da angústia. O lado bom de uma mesma moeda! Obrigado, Sonia Salim, por me possibilitar essa percepção.
    Abraços.
    Novaes/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Novaes! Muito grata. Pensei no seu comentário quando passei agora pelo texto: "Perguntava-se como ela conseguira continuar tanto tempo naquela situação, sem enlouquecer, visto que não tivera coragem para se suicidar..." (Crime e Castigo - Dostoiévski). Uma avaliação do jovem, Raskólnikov, sobre a vida de Sônia, a jovem prostituta acidental do livro.
      São as motivações da vida que seguram a situação, momentânea ou não, pelas quais as pessoas passam e sofrem? Possivelmente...
      Abraços!

      Excluir
  8. Feliz Natal a todos os 'clicianos', visitantes e leitores do blog!!! Felicidades para 2014! Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Gostei muito, Sônia. Apareça mais por aqui. Beijos

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.