CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

21 de janeiro de 2017

Livro: Dois Irmãos, de Milton Hatoum e Minissérie da Globo

Olá queridos!
Estou reproduzindo o post do meu blog Mar de Variedade, pois sei que o clube já leu esse livro. 
Quando soube que a Globo iria passar essa minissérie baseada no livro Dois Irmãos, de Milton Hatoum, tratei logo de ler o livro. Na verdade, li concomitantemente à série. Terminei dois dias antes de a série acabar. Pude assistir fazendo a comparação com o livro. E posso dizer que a série da Globo foi bem fiel ao livro, teve muita qualidade. 

Sinopse do livro- da Livraria Cultura: "Dois irmãos' é a história de dois irmãos gêmeos - Yaqub e Omar - e suas relações com a mãe, o pai e a irmã. Moram na mesma casa Domingas, empregada da família, e seu filho. Esse menino - o filho da empregada - narra, trinta anos depois, os dramas que testemunhou calado. Buscando a identidade de seu pai entre os homens da casa, ele tenta reconstruir os cacos do passado, ora como testemunha, ora como quem ouviu e guardou, mudo, as histórias dos outros. Do seu canto, ele vê personagens que se entregam ao incesto, à vingança, à paixão desmesurada. O lugar da família se estende ao espaço de Manaus, o porto à margem do rio Negro - a cidade e o rio, metáforas das ruínas e da passagem do tempo, acompanham o andamento do drama familiar."


Eu nunca havia lido nada do Milton Hatoum. Comecei por esse livro e adorei a leitura! 
Acho que o Milton soube construir os personagens principais de uma forma brilhante: deixando dúvidas no leitor sobre o caráter de cada um dos gêmeos. Claro que o caçula era o que "aprontava" todas, mas ainda assim o leitor ficava com algumas dúvidas sobre a motivação de cada um. 
Quando o livro começa, ainda não sabemos exatamente quem é o narrador. Com o decorrer da história, ficamos sabendo que o narrador é o Nael, filho da Domingas, empregada da família.
A história se passa em Manaus.
Nessa família de três filhos, tanto Halim quanto Zana sempre deram mais atenção aos gêmeos, em detrimento da filha Rânia.
A mãe sempre foi superprotetora com o caçula Omar, o que Halim não aprovava, mas acabava fazendo "vista grossa" por ser apaixonado pela esposa Zana. Na verdade, ele nem queria ter filhos. Queria viver o seu amor por Zana, apenas com ela, sem filhos. 
Quando os gêmeos tinham treze anos, após uma briga, em que Omar cortou o rosto do irmão, Yaqub foi mandado para o Líbano, a mãe não deixou Omar ir. 
"O que mais preocupava Halim era a separação dos gêmeos, 'porque nunca se sabe como vão reagir depois...'. Ele nuca deixou de pensar no reencontro dos filhos, no convívio após a longa separação."
Após cinco anos, Yaqub retorna do Líbano, calado e estranho.
"Zana logo percebeu. Via o filho sorrir, suspirar e evitar as palavras, como se um silêncio paralisante o envolvesse."
Omar sempre foi forte e bom de briga. Já Yaqub começa a estudar muito e a gostar de matemática. Yaqub começa a fazer sucesso também com as meninas, o que gera uma rivalidade com o irmão. Omar, que é muito mimado pela mãe, não suporta ver o Yaqub crescer nos estudos e se destacar com as meninas. Então, a sua raiva pelo irmão só aumenta. Já Yaqub nunca esqueceu o corte que o seu irmão deu em seu rosto, rendendo-lhe uma cicatriz. 
Yaqub acabou indo morar em São Paulo e lá se formou em engenharia e cresceu profissionalmente.
Acho que não devo contar além daqui, embora muitos tenham assistido à minissérie e já saibam do desfecho da história. 
No livro há insinuações de incesto. Também aborda violência e estupro.
Como o livro retrata a vida dessa família durante muitos anos, ele é muito rico, cheio de reviravoltas.
O que achei bem interessante também foi a abordagem sobre Manaus, a descrição de como era há muitos anos, com o crescimento do comércio e, depois, com o progresso, quando a empresa de Halim precisou se modernizar um pouco, com a ajuda da filha Rânia.
A história do narrador também é interessante, pois cresce sem saber quem é o pai. 
Gostei muito da forma como Hatoum escreve e descreve os acontecimentos. É uma leitura boa de se fazer.
Acho que uma boa lição dessa história é o quanto a superproteção a um filho pode estragá-lo como pessoa.

Quanto à minissérie, como falei antes, achei bem fiel ao livro. Gostei mais do livro, pois me encantei pela forma como o autor escreve, mas a série foi muito bem produzida e com ótimas atuações. Destaque para Cauã Reymond e Eliane Giardini.



Recomendo!

3 comentários:

  1. O show running do Luis Fernando de Carvalho parece que fortalece e amplia a nossa compreensão da obra literária. Acho legal esse combo!

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.