CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

31 de agosto de 2016

Hélio Penna comenta "Histórias da Noite" de Carlos Rosa


            Amigo Carlos, 

      O livro História da noite me emocionou profundamente. Foi uma viagem cheia de surpresas, emoções, sustos, reflexões e aprendizados.

            É difícil escolher os contos que mais me impressionaram neste mergulho (ou seria um
passeio numa dessas montanhas-russas?). Mas cometerei o absurdo de destacar alguns. São eles: A viagem; Eugênia, A escapada, Eguinha, Laize e João, O remorso, A casa dos gritos e Uma opinião.

          Fiz muitas anotações durante a leitura. As descobertas, os espantos, estão assinaladas nas páginas do livro, pois não havia tempo para encontrar lugar mais apropriado. Nomes de novos contos estão anotados ali, pois muitas vezes você me despertou a escrita. Também estão lá nomes de contos prontos, pois eu percebia que algo mais podia ser acrescentado, em função do que eu estava lendo.

          Uma riqueza o teu livro. Riqueza humana, artística e profissional.

          Fico a pensar como é o seu interior e suas noites de sono, diante de tantos e complexos personagens e pensamentos... Mas é você mesmo que nos salva ao dizer-nos que “somos um mundo, não temos conhecimento sobre até onde se estendem nossos horizontes.” e que “não devemos nos chocar com as descobertas que fazemos a respeito de nós mesmos.”

          Obrigado, amigo.


(Histórias da Noite: Carlos Rosa Moreira - R$ 25,00 (peça por conciergeclic@gmail.com))



8 comentários:

  1. Helio, riqueza humana , foi este seu comentario. Muito bom! Carlos Rosa vai,certamente, se sentir mais estimulado em sua escrita.Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Carlos Rosa tem essa capacidade que o Hélio tão bem percebeu e destacou: a de nos levar para passear, para viajar, de uma maneira leve, como se nos levasse pelas mãos prometendo mostrar algum oásis quando estamos com sede e calor. Em suas histórias as sombras, de alguma forma, nos protegem de um sol escaldante e incômodo. Acho que são sombras reveladoras... Muito legal ver o Hélio Penna aqui, e comentando a obra do Carlos. É como assistir a dois craques batendo bola. Uma maravilha. Abraços aos dois!

    ResponderExcluir
  3. Carlos Rosa é um escritor perturbador, sedutor, inquietante. Nunca se deixe enganar pela ficção de Carlos Rosa, ela pode ser mais real do que você pensa. E quando ouvimos Carlos falar, nunca podemos ter certeza se ele está criando ficções, relatando fatos do cotidiano, ou de suas vivências inusitadas, tão extraordinárias são suas histórias. Ninguém lê Carlos Rosa impunemente. Aprecie seus textos com moderação! Depois não digam que não avisei.

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado a vocês pelos gentis comentários. Ao Hélio Penna enviei um agradecimento pelo e-mail. Um abração para todos.
    Carlos.

    ResponderExcluir
  5. Carlos Rosa iria gostar de conhecer a Eugênia de Flávio Vassoler e vice-versa. Será que foram os autores que criaram cada um as suas Eugênias ou, se se tratar da mesma Eugênia, foi essa repugnante personagem que encontrou autores para sua manifestação literária?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que tal apresentá-la ao Carlos? A Eugênia do Vassoler e vice-versa.Daria talvez um diálogo doido!rsrs

      Excluir
  6. Volto a agradecer os comentários. E digo ao Mr.Epa e a Helentry: não conheço a Eugênia do Vassoler, mas a "minha" Eugênia é gordíssima, frívola e promíscua, e, para alguns, repugnante. Será assim a outra?
    Abraços a todos.
    Carlos.

    ResponderExcluir
  7. O comentário de Hélio Penna junto com os demais nos deixam intrigados e nos impulsionam a conhecer os escritos/livros de Carlos Rosa. Vocês são ótimos nisso, amigos! rs A curiosidade nos instiga...

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.