CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

13 de junho de 2016

A trégua: Mario Benedetti

O que achou quem leu?


1- "Grande livro/leitura, uma lição de vida! Eu não sei o que eu vi neste livro em especial, mas tive todos os sentimentos através da leitura. A ansiedade com a aposentadoria, uma certa impotência no relacionamento com os filhos... não vou falar mais porque muitos estão lendo neste exato momento. Temas maravilhosos a abordar." - Sonia;

2- "Gostei muito. Para mim, ele está entre os melhores livros lidos no CLIC." - Elenir;

3- " Livro bom demais!" - Rosa;

4- " Passagens memoráveis que o livro tem!" - Evandro

5- Já li e gostei muito. Nos faz refletir sobre a solidão dos idosos. (Zilka)

6- Não atendeu às minhas expectativas. (Rose);

7- Achei que o livro conseguiu transmitir muito bem os sentimentos de Santomé pelas pessoas à sua volta, além de conseguir retratar o seu cotidiano, os conflitos e a mudança da sua vida com um amor. O autor conseguiu, através do diário de um viúvo prestes a se aposentar, descrever sentimentos e emoções dos personagens. Boa leitura! Recomendo! (Andreia)

8- "Estou encantada com a leitura . Excelente livro . Gostei muito Poema" (Rita)

9- Meu Deus. Meu Deus. Meu Deus. Meu Deus. Meu Deus. Meu Deus. Meu Deus. Por que não me avisaram? Povo cruel, insensível. Fui dormir arrasado, moído, como se eu estivesse de verdade ali, naquela história, empaticamente ligado a Santomé. Não quero mais falar sobre o livro. Estou exaurido após uma leitura de dois dias, e estou aborrecido, chateado. Terminei ontem, às 22:00h, depois de ler mais de 100 páginas de um fôlego só. Não sei o que aconteceu, fui tomado por uma "compulsão emocional" depois do "Meu Deus". Que livro! Estava na minha estante há mais de um ano essa preciosidade. Como se dizia lá na minha terra, na minha infância, o livro me buliu todo. Não sei quem o indicou, mas agradeço profundamente. Hoje amanheci outro, já não sou o mesmo que começou a ler o livro. E isso é fantástico. Isso é a literatura! (Antonio)

10- Destaco as seguintes passagens - "Tomara que se sinta ao mesmo tempo protetor e protegido, uma das mais agradáveis sensações que o ser humano se pode permitir." e "...quando essa solidão se transforma em rotina, ele vai perdendo inexoravelmente a capacidade de sentir-se sacudido, de sentir-se viver. Mas vem Avellaneda e faz perguntas, e, sobre as perguntas que ela me faz, eu me faço muitas mais, e então sim, agora sim, sinto-me vivo e sacudido." (Vera);





Amor aos oitenta
é tudo o que eu gostaria.
Trégua em minha vida.
(Elenir)


As provocações de Antonio:

1ª) “Na segunda parte do meu festim, entram os jornais.


Há dias em que compro todos. Gosto de reconhecer suas constantes. (...). Como são diferentes e como são iguais! Entre eles, jogam uma espécie de truco, enganando uns aos outros, fazendo-se sinais, trocando de parceiros. Mas todos se servem do mesmo maço, todos se alimentam da mesma mentira. E nós lemos, e, a partir dessa leitura, acreditamos, votamos, discutimos, perdemos a memória, esquecemos generosa e cretinamente que eles hoje dizem o contrário de ontem, que hoje defendem ardorosamente aquele de quem ontem disseram coisas terríveis, e, o pior de tudo, que hoje esse mesmo aquele aceita, orgulhoso e ufano, essa defesa. (...). Para ver os jornais, é preciso baixar os olhos.”

2ª) “A trégua” é tem seu argumento central orientado pela questão do tempo. E por isso mesmo invoca a questão da memória e indaga sobre as incertezas e fragmentações a que as recordações estão sujeitas no transcorrer do tempo. O que recordamos tem o que de real?  

Aqui, e nunca me canso de lembrar, podemos invocar a magnífica frase de Gabriel Garcia Marquez: 

“A vida não é a que a gente viveu e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la”

A provocação de Benedetti fica por conta da frase: 
“Afinal, a memória importa alguma coisa?” 

Blanca, a filha de Santomé, pode nos indicar uma pista: 
“Às vezes me sinto infeliz, só por não saber do que tenho saudade”





 “Ela me dava a mão e nada mais faltava. Bastava para que eu me sentisse bem acolhido. Mais que beijá-la, mais que dormirmos juntos, mais do que qualquer outra coisa, ela me dava a mão e isso era amor." (A trégua: Mario Benedetti)



“(...) a vida é muitas coisas (trabalho, dinheiro, sorte, amizade, saúde, complicações), mas ninguém vai me negar que, quando pensamos nessa palavra Vida, quando dizemos, por exemplo, que “nos apegamos à vida”, estamos fazendo com que seja assimilada por outra palavra mais concreta, mais atraente, mais seguramente importante: estamos fazendo que seja assimilada pelo Prazer. Penso no prazer (qualquer forma de prazer) e estou certo de que isso é a vida.”




Egoísmo


Espaço vazio

O ócio da aposentadoria
deixou-me assim
Perdoa-me, não é isso...
Sinto a sua falta
Na memória, os seus movimentos
palavras, momentos
Na garganta, um nó
Lágrimas nos olhos
Eu pensei só em mim
Num futuro que não veio
que não vivi
Eu fui egoísta
A morte a levou... esta palavra forte
assim, sem dizer nada
Doçura no olhar
sensibilidade nas palavras
Eu queria ter sido mais intenso
como se vivesse o último dia da vida
e quisesse aproveitar tudo
mas não foi possível

Sonia Salim 23/02/16




Fonte: Focus Portal Cultural

23 de Setembro

Meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus!








Es evidente, Dios me concedió un destino oscuro. Ni siquiera cruel. Simplemente oscuro.









Um grande amor pode ser uma trégua na vida


Escrito em formato de diário e com fina ironia, 'A trégua' traz a história de Martín Santomé, um 'homem maduro, de muita bondade, meio apagado, mas inteligente'. Prestes a completar 50 anos, viúvo há mais de vinte, Santomé mora com os três filhos. Não se relaciona bem com nenhum deles, tem poucos amigos e mantém uma rotina monótona e cinzenta. No diário, conta os dias que faltam para a aposentadoria; mas não tem idéia do que fará assim que se livrar do trabalho maçante. Seu destino, no entanto, mudará quando conhecer Laura Avellaneda, uma jovem discreta e tímida contratada para ser sua subalterna. Com ela, Martín Santomé voltará a conhecer o amor, numa luminosa trégua para uma vida até então triste e opaca. Mas será que essa relação conseguirá ir adiante? Muito mais do que uma história de amor, 'A trégua' é um questionamento sobre a felicidade e um retrato às vezes bem-humorado, às vezes ferino, dos difíceis relacionamentos humanos.







Palacio Salvo - Montevideo



Leia o livro aqui

2 comentários:

  1. Muito bom esse resumo com as opiniões dos membros do clube, Evandro. Gostei!

    ResponderExcluir
  2. Falando de aposentadoria, deixo aqui meu simples poema feito quando me aposentei.
    Hoje, somente agora, me dou conta
    de que eu vivia cifras.
    Buscava cifras; estudava cifras;
    calculava cifras; cobrava cifras.
    Minha mente era, apenas, cifras
    Hoje, estou morrendo...
    Ou melhor, estou vivendo flores.
    Eu vejo flores. Eu faço flores.
    Eu canto flores. Eu amo as flores.
    Meu coração é todo flores.
    A poesia me salvou.

    Elenir

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.