CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

9 de abril de 2016

O sol é para todos: Harper Lee







Onde: 
Livraria Icaraí
Rua Miguel de Frias, 9
Icaraí
Niterói - RJ
Quando: 
sex, 08/04/2016 -
16:00 até 18:00
Descrição: 
A edição de abril do Clube de Leitura Icaraí traz um romance ganhador do prêmio Pulitzer de literatura: "O sol é para todos", de Harper Lee. Lançado pela primeira vez em 1960, o livro deu origem ao filme homônimo, ganhador do Oscar de melhor roteiro adaptado. O debate literário será no dia 8 de abril, a partir das 16h, na Livraria Icaraí (Rua Miguel de Frias, 9, em Niterói), com entrada franca.
Considerado um dos melhores romances do século XX, o livro trata de temas atemporais, como racismo, tolerância e justiça. A história se passa em 1930, quando, nos Estados Unidos, um advogado sofre represálias sociais por defender um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca. O enredo é narrado pelos olhos de um menino, filho do advogado de defesa.
Criado em 1998, o Clube de Leitura de Icaraí se reúne toda segunda sexta-feira do mês para debates e troca de ideias sobre um livro previamente definido nos encontros. No dia 14 de maio, o clube vai discutir “A rainha Ginga”, de José Eduardo Agualusa.
OCULTARMAIS INFORMAÇÕES
Telefone de contato: 
2629-5289
Email: 
comunicacao@editora.uff.br
Setor responsável: 






Filme de Robert Mulligan é premiado com Oscar de
melhor ator (Gregory Peck),
melhor roteiro adaptado
e melhor direção de arte em P&B





“O sol é para todos”, da escritora Harper Lee, é um dos mais belos livros da literatura norte-americana. Foi ganhador do Prêmio Pulitzer, de 1961. É um livro que todo advogado deveria ler, todo humanista deveria ler, todo solidário deveria ler... E quem não é humanista e solidário, também, para aprender a ser.

A narradora é uma criança, menina, que vive no Sul dos Estados Unidos na época do racismo bravo, do preconceito estúpido, anos 30. O pai da narradora é um advogado, nomeado pelo juiz da cidade para defender um rapaz negro acusado de estuprar uma moça branca. O vizinho da narradora é um homem que, há anos, não sai de casa, o que levanta incontáveis mistérios nas cabeças das crianças. E há o irmão da narradora, o melhor amigo da narradora, a cozinheira, os vizinhos futriqueiros da pequena cidade sulista... E a menina não entende a diferença entre o preconceito de Hitler aos judeus e o preconceito do norte-americano branco aos negros...


Deu na CNN






         O que foi a Ku Klux Klan? Ela ainda existe?

KKK
A Ku Klux Klan (KKK) foi uma organização racista secreta que nasceu no final do século 19 nos Estados Unidos. Ela foi fundada em 1866, no Tennessee, como um clube social que reunia veteranos confederados, ou seja, soldados que haviam lutado pelos estados do Sul, o lado derrotado, na Guerra Civil Americana (1861-1865). As duas palavras iniciais do nome da organização, "Ku Klux", aparentemente vêm da palavra grega kyklos, que significa "círculo". Já o termo "Klan" teria sido acrescentado para dar melhor sonoridade à expressão, além de fazer uma referência aos velhos clãs, grupos familiares tradicionais. Muito mais do que um clube, a KKK se transformou numa entidade de resistência à política liberal imposta pelos estados do Norte após a Guerra Civil, que assegurava, entre outras coisas, que a abolição da escravatura fosse mesmo cumprida. Na defesa da manutenção da supremacia branca no país, o grupo promovia atos de violência e intimidação contra os negros libertados.
Seus militantes adotaram capuzes brancos e roupões fantasmagóricos para esconder a identidade e assustar as vítimas. A partir de 1870, o governo americano decidiu enfrentar a organização e, em 1882, a Suprema Corte do país declarou inconstitucional a existência da KKK. "Ela parecia ter desaparecido durante os últimos anos da década de 1880, mas foi revivida em meados do século 20", diz a historiadora e jornalista americana Patsy Sims, da Universidade de Pittsburgh. A nova KKK foi criada em 1915, no estado da Geórgia, e não era mais movida apenas pelo ódio contra os negros. Sua doutrina misturava agora nacionalismo e xenofobia a um sentimento romântico de nostalgia pelo "velho Sul". "Durante essa reencarnação, a KKK tinha como alvos de sua violência os imigrantes, além de católicos, judeus e negros", afirma Patsy. Uma cruz em chamas se tornou o símbolo da nova organização, que chegou a ter 4 milhões de membros. (Fonte)





“Havia de fato um sistema de castas em Maycomb e, na minha mente, funcionava assim: a geração atual de pessoas que se conheciam havia anos, eram totalmente previsíveis para as outras: presumiam que o comportamento, os traços de caráter e até os gestos se repetiam e se refinavam através das gerações. Assim as máximas “nenhum Crawford cuida da própria vida”; “de cada três Merriweather um é mórbido”; “os Dellafield nunca dizem a verdade”; “todos os Buford andam daquele jeito” serviam de guia da vida cotidiana (…).” O sol é para todos, pág. 166.



Coragem é fazer uma coisa mesmo estando derrotado antes de começar. E mesmo assim ir até o fim, apesar de tudo. Você raramente vai vencer, mas às vezes vai conseguir. 

A única coisa que não deve se curvar ao julgamento da maioria é a consciência de uma pessoa. 


A luz do mundo - Holman Hunt

A pessoas sensatas nunca se orgulham do próprio talento. 


Pedra de Roseta

Quando os filhos desobedecerem os pais, fumarem e brigarem, as estações do ano mudarão.




Se aprender um truque simples, vai se relacionar melhor com todo tipo de gente. 
Você só consegue entender uma pessoa de verdade quando vê as coisas do ponto de vista dela.




Anjo da Luz
vida na morte
saia da estrada
não sugue o meu ar


Jardins de Bellingrath

Ninguém precisa mostrar tudo que sabe.
Não é educado.
Em segundo lugar, algumas pessoas podem não gostar de quem sabe mais que elas.
Incomoda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.