CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

18 de fevereiro de 2016

Bilac vê estrelas: Ruy Castro








Esse é o cara!



Resolvi pentear macaco


A nação tinha que ser parte dessa história





Satânia (...)

Sobe... cinge-lhe a perna longamente; Sobe...- e que volta sensual descreve Para abranger todo o quadril!- prossegue, Lambe-lhe o ventre, abraça-lhe a cintura, Morde-lhe os bicos túmidos dos seios, Corre-lhe a espádua, espia-lhe o recôncavo Da axila, acende-lhe o coral da boca, E antes de se ir perder na escura noite, Na densa noite dos cabelos negros, Pára confusa, a palpitar, diante Da luz mais bela dos seus grandes olhos.
E aos mornos beijos, às carícias ternas, Da luz, cerrando levemente os cílios, Satânia os lábios úmidos encurva, E da boca na púrpura sangrenta Abre um curto sorriso de volúpia...




Dormes

XVIII

Dormes... Mas que sussurro a umedecida
Terra desperta? Que rumor enleva
As estrelas, que no alto a Noite leva
Presas, luzindo, à túnica estendida?

São meus versos! Palpita a minha vida
Neles, falenas que a saudade eleva
De meu seio, e que vão, rompendo a treva,
Encher teus sonhos, pomba adormecida!

Dormes, com os seios nus, no travesseiro
Solto o cabelo negro... e ei-los, correndo,
Doudejantes, sutis, teu corpo inteiro

Beijam-te a boca tépida e macia,
Sobem, descem, teu hálito sorvendo
Por que surge tão cedo a luz do dia?!




In Extremis

Nunca morrer assim! Nunca morrer num dia
Assim! De um sol assim!
Tu, desgrenhada e fria,
Fria! Postos nos meus os teus olhos molhados,
E apertando nos teus os meus dedos gelados...

E um dia assim! De um sol assim! E assim a esfera
Toda azul, no esplendor do fim da primavera!
Asas, tontas de luz, cortando o firmamento!
Ninhos cantando! Em flor a terra toda! O vento
Despencando os rosais, sacudindo o arvoredo...

E, aqui dentro, o silêncio... E este espanto! E este medo!
Nós dois... e, entre nós dois, implacável e forte,
A arredar-me de ti, cada vez mais a morte...

Eu com o frio a crescer no coração, — tão cheio
De ti, até no horror do verdadeiro anseio!
Tu, vendo retorcer-se amarguradamente,
A boca que beijava a tua boca ardente,
A boca que foi tua!

E eu morrendo! E eu morrendo,
Vendo-te, e vendo o sol, e vendo o céu, e vendo
Tão bela palpitar nos teus olhos, querida,
A delícia da vida! A delícia da vida!


Via-Láctea

XIV



Viver não pude sem que o fel provasse

Desse outro amor que nos perverte e engana:

Porque homem sou, e homem não há que passe

Virgem de todo pela vida humana.



Por que tanta serpente atra e profana

Dentro d'alma deixei que se aninhasse?

Por que, abrasado de uma sede insana,

A impuros lábios entreguei a face?



Depois dos lábios sôfregos e ardentes, 

Senti - duro castigo aos meus desejos -

O gume fino de perversos dentes...



E não posso das faces poluídas

Apagar os vestígios desses beijos

E os sangrentos sinais dessas feridas!



VENCENDO O AZUL
Desenho explicativo do pedido de patente do aerostato concebido por José do Patrocínio
Documento Memorial descritivo do aerostato Santa Cruz, datado de 1902
.

"Qu'ils sont drôles, ces brésiliens!"


Confeitaria Colombo da Gonçalves Dias - Centro do Rio

Quem foi José Carlos do Patrocínio? (Campos dos Goytacazes9 de outubro de 1853 — Rio de Janeiro29 de janeiro de 1905) foi umfarmacêuticojornalistaescritororador e ativista político brasileiro. Destacou-se como uma das figuras mais importantes dos movimentos Abolicionista e Republicano no país. Foi também idealizador da Guarda Negra, que era formada por negros e ex-escravos.

Fonte: Wikipedia





Súplica


Falava o sol. Dizia:

"Acorda! Que alegria

Pelos ridentes céus se espalha agora! 

Foge a neblina fria.

Pede-te a luz do dia,

Pedem-te as chamas e o sorrir da aurora!"



Dizia o rio, cheio

De amor, abrindo o seio:

"Quero abraçar-te as formas primorosas! 

Vem tu, que embalde veio

O sol: somente anseio

Por teu corpo, formosa entre as formosas!



Quero-te inteiramente 

Nua! quero, tremente,

Cingir de beijos tuas róseas pomas, 

Cobrir teu corpo ardente,

E na água transparente

Guardar teus vivos, sensuais aromas!"



E prosseguia o vento:

"Escuta o meu lamento!

Vem! não quero a folhagem perfumada; 

Com a flor não me contento!

Mais alto é o meu intento:

Quero embalar-te a coma desnastrada!"


11 comentários:

  1. As estrelas que Bilac vê nesse livro não são as celestes, presta atenção!

    ResponderExcluir
  2. São as diversas mulheres que amou. Atrizes etc...

    ResponderExcluir
  3. Uma curiosidade que descobri nesse livro: o serviço militar obrigatório no Brasil foi uma ideia do Olavo Bilac que o exército acolheu entusiasticamente, partindo de quem era considerado o príncipe dos poetas brasileiros.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Bela a poesia do maior entre os parnasianos, uma das mais lindas da nossa Literatura. Mas a História de tempos em tempos se renova, mostrando que o passado é dinâmico, contando-nos que se mexe. Ao ler o comentário do Evandro não posso me calar, calando-me emperro o dinamismo do passado, que incautos imaginam estático, incapaz de nos tornar extáticos. Muitos são os esquecidos da História. Elysio Araújo é um deles. Promotor público, juiz de direito, delegado, professor, militar, escritor e Político com letra maiúscula, desses que o Brasil chora a falta. Além disso tudo, Elysio Araújo foi o criador e patriota entusiasta das "Linhas de Tiro" e convidado direto do Ministro da Guerra, Marechal Hermes da Fonseca, para dirigi-las. Nasceu aí a instrução militar para os jovens brasileiros, nasceu então o serviço militar ao qual o nosso concierge se refere. Serviço militar criado e levado a efeito por Elysio de Araújo. Mas a História é feita de meandros e desvios. Um importante militar, admirador do poeta, entendeu de fazê-lo patrono do patriótico movimento. E assim o poeta também é conhecido. Coisas da História.
    Carlos Rosa Moreira.

    ResponderExcluir
  7. O precursor da navegação aérea foi o inventor paraense Júlio César Ribeiro de Sousa que em 1881 se tornaria o 1º brasileiro a projetar um balão dirigível.

    Maurício

    ResponderExcluir
  8. Mais uma vez está maravilhosa a apresentação sobre o livro do mes ,"Bilac vê Estrelas"
    Ceci.

    ResponderExcluir
  9. Quem foi que indicou esse livro? Achei fraco, muito fraco. Espero que o Benito o salve conseguindo tirar dele alguma coisa com suas análises profundas e detalhadas. Francamente, a safra de livros no clube de leitura está fraca. Volta concierge, você está fazendo falta nas reuniões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, anônimo. Também achei o livro muito fraco, nem prossegui na leitura. Estou com saudade dos clássicos.

      Excluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.