CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

20 de outubro de 2015

Minha leitura de "O sonâmbulo amador"

O SONÂMBULO AMADOR

by Rita Magnago




Fraturas na alma
ossos rachados desde a infância
colagens imperitas
que arrasto pelas ruas
e mancam meu espírito.

Penso no pai ausente
o do Moreno,
o meu 
e eu.
A história que Jura jurou
fazer outra
repetiu a falta.

Na casa tecelã
o rosto queimado 
pela fúria da lida
injusto, injusta.
Quem é mesmo que está na foto?
Eu menino?
Meu menino?
O menino aprendiz?

Músculos débeis
cabeça sem força
coragem de morrer 
ou de matar.
Um surto 
um  louco 
muitos sonhos a decifrar
pela noite sonâmbula
pelo dia soturno.

Há uma claraboia tênue
depende da lua
das fases
que preciso acordar.
Há ainda o amor
e o carnaval.

Rasgo o tempo
misturo os modos
para poder separar
juntar os cacos
e seguir.

Vivo,
apesar das feridas.




14 comentários:

  1. Belo poema! Rita é mestra em captar a essência dos livros que lê e interpretá-los poeticamente!

    ResponderExcluir
  2. Belo poema! Rita é mestra em captar a essência dos livros que lê e interpretá-los poeticamente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Evandro. O livro tem muitos personagens interessantes, como o enfermeiro, a Minie, a Heloisa... mas o Jurandir é muito marcante, me concentrei mais nele.

      Excluir
  3. Ainda não li o livro, mas gostei do poema. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Andreia. Depois de ler, me diga se concorda com a interpretação. Bjs.

      Excluir
    2. Rita, agora que terminei a leitura, posso dizer que sua interpretação está muito condizente com o livro. Beijos

      Excluir
  4. É uma maneira inteligente de falar sobre o livro sem ser spoiler.

    ResponderExcluir
  5. Rita, adorei seu poema e fiz o comentário pelo celular por não estar em casa. Batalhei, pois sou inexperiente com essa tecnologia moderna, e, sozinha, consegui. Ótimo! Chegando a casa, fui ver se ele constava do blog e não estava. Você recebeu? Bjs. Elenir

    ResponderExcluir
  6. Já elogiei e parabenizei Rita pelo seu belo poema. Nele, conseguiu sintetizar toda a história do Jurandir. Suas perdas, seus sonhos e o entrelaçamento do sonho com a realidade.

    Vai o meu simples Haicai que ele me motivou:

    As perdas sofridas

    machucam seguindo este homem.

    Vive o sonho e o real.

    Beijos para todos.

    Elenir

    ResponderExcluir
  7. Perfeito.
    Como sempre você uma mestra em colocar sentimentos em poucas palavras...
    Beijos ternos, Vera.

    ResponderExcluir
  8. Elenir, perfeito e lindo seu Haicai.
    Beijos ternos, Vera.

    ResponderExcluir
  9. Obrigada, Vera! Beijos.
    Elenir

    ResponderExcluir
  10. Respostas
    1. Obrigada, concièrge, muito gentil a lembrança. Parabéns a todos nós que, apesar dos muitos percalços do país em que vivemos, conseguimos ainda fazer poesia de tantas formas para além da escrita: no olhar, nos sorrisos, no caminhar, em gestos simples de afeto e inclusão, como a acolhida calorosa que o Clic dá aos participantes. Grande abraço.

      Excluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.