CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

1 de março de 2015

Revivendo leituras passadas - Versos Satânicos: Salman Rushdie


Karime Amaral Hauaji


Nikah

Satã, confinado assim à instável condição de vagabundo, sem rumo, não possui morada certa; pois embora tenha, como conseqüência de sua natureza angélica, uma espécie de império na vastidão líquida ou no ar, decerto faz parte de seu castigo não ter [...] um lugar em que possa pousar a sola do pé.

Daniel Defoe, The History of the Devil



A História nos pergunta: que tipo de causa somos nós? Somos intransigentes, absolutos, fortes, ou vamos nos revelar oportunistas, que transigem, se acomodam, cedem?


Um comentário:

  1. Para quem não conhece os versículos satânicos propriamente ditos que teriam sido suprimidos do Corão e proibidos sequer de serem mencionados, ei-los:

    “esses ídolos são eminentes
    e sua intercessão está confirmada”

    (surata Nadjm, versículos 19 e 20)

    Referem-se a uma concessão que o Profeta teria feito a uma tribo nativa de Meca que resistia a aceitação do Islamismo porque adorava deusas pagãs primitivas.

    Além dessa passagem, o livro de Sir Salman Rushdie possui diversas outras menções abomináveis à fé islâmica que causaram grande revolta mundial. Cito apenas essa por ser a mais grave.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.