CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

2 de fevereiro de 2014

Mais vale a fé do que o pau da barca: Ilnéa Miranda

Diz a história que um homem estava muito doente, quase, quase beirando a morte. Tão grave que nem a Esperança lhe fazia mais companhia. Da doença, ninguém nada sabia. De remédios, menos ainda. Até que alguém chegou e disse - e disse por ouvir dizer - que, do outro lado do rio que passava em frente à casa, um rio largo, tão largo que nem se conseguia ver a outra margem, crescia uma árvore enorme, que nem se lhe via a copa.

Desta árvore se dizia ter poderes de medicina, que um chá das lascas de sua madeira, curava qualquer mazela, mesmo desconhecida.

Então um certo compadre, barqueiro por profissão, prometeu ao doente que atravessaria o rio em busca do tal remédio. E lá se foi o barqueiro, cumprir a sua tarefa. Só que no meio da lida, do outro lado do rio, encontrou uns outros gajos (e umas gajas também, por certo) e caiu numa folia, que vai conversa, vem conversa, esqueceu sua promessa. E fez o caminho de volta sem ter da árvore uma lasca.

Estando quase a chegar de volta a sua aldeia, o gajo lembrou a promessa, mas não se deu por achado: pegou a faca afiada e tirou algumas lascas do fundo do próprio barco e embrulhou, direitinho para levar ao doente.

Foi feito o chá, sem demora e sem demora tomado.

Passado um tempo de chá, descanso e muita oração, o homem, recuperado, foi agradecer ao outro o tal chá amilagrado. Depois do abraço apertado, e de muita falação, o barqueiro, aliviado, com um sorriso maroto, resmungou 'pros' seus botões:

Bem minha mãe me dizia: "mais vale a fé do que o pau da barca."

4 comentários:

  1. Grata, amigo Evandro. Quem sabe na procura ainda encontro algo perdido em "outros devaneios", como diz nossa amiga Dilia? Gentil, para você... é pouco!
    Mais um abraço,
    Ilnéa

    ResponderExcluir
  2. Só para não me perder no mundo da prosa... cá vou eu fazendo trova:

    Cada dia, mais pequena,
    carrego minha velhice,
    muitos anos... mas amena,
    assim o tempo me disse.

    ... e esse com espaço pra mais um abraço, (Vixi!!! Isso aí já faz um decassílabo! Meu "sonetista amador", penso, está com ciúmes!!!
    I

    ResponderExcluir
  3. Excelente, amiga! Acredito muito nisso: a fé é capaz de transformar tudo!
    Bom ler isso quando estamos indo por novos caminhos.
    Abraços,
    Elô

    ResponderExcluir
  4. Salve, Ilnea. Gostei do seu 'compadre', vacilou mas não se fez de rogado, e o que era importante, ele conseguiu.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.