CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

23 de fevereiro de 2014

CAMINHO DAS PEDRAS



CAMINHO DAS PEDRAS

                                            a Drummond

No meio do caminho estava teu corpo
Que se recusava a apodrecer
Cheirar mal,
Repugnar.

Velório cheio,
Missa de corpo presente,
Caixão enfeitado,
Cortejo fúnebre
Sepultura funda.

Missa de sétimo dia,
De trinta dias
De aniversário,
Não falecias.

Tentei conversar
Com teu espírito
Pedir racionalmente
A tua partida.
Não me ouvistes.

Continuavas espreitando
Vendo com quem eu saía
Em dúvida, se te traía.

No meio do caminho tinha uma pedra
Paralepípedo quadrado, pesado
Com ele, quebrei o espelho
Que a ti me prendia
Findo o encanto,
Ficou meu corpo
Estirado, inerte,
No meio do caminho.

Luiz Gavri
(Niterói, 28/12/13)

Recomendo o livro: O duplo de Otto Rank (http://www.dublinense.com.br/livros/o-duplo-um-estudo-psicanalitico/)
 

3 comentários:

  1. luis
    Teu poema lembrou-me tb de um conto do Schnitzler que aborda a questão do duplo..vou ver se pesquiso e te envio..Freud tem um trabalho muito interessante e acredito que vc conheça..muito boa colocação sb essa questão de uma identificação-fusão....eu/outro eu Abs ceci

    ResponderExcluir
  2. Belo poema, Gavri. Ficamos nós estirados, inertes, no meio do caminho. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Profundo...
    Para mim poderia se chamar: Os laços do amor.
    Como deve ser difícil a separação eterna de um ser amado,,,
    Parabéns, Luiz.
    Beijos ternos,
    Vera.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.