CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

17 de dezembro de 2013

A renitência francesa



A chegada do genovês Cristóvão Colombo ao Novo Mundo, em outubro de 1492, ascendeu a Espanha no cenário das conquistas marítimas do Atlântico, até então dominado por Portugal ao longo de todo século XV. Isto acirrou o clima de disputas entre ambas as nações, só distendido depois de um tratado, intermediado pelo Papa Alexandre IV na cidade espanhola de Tordesilhas, em junho de 1494.

O Tratado de Tordesilhas concedia à Espanha todas as terras situadas a 370 léguas a oeste do arquipélago de Cabo Verde. O lado leste ficou para Portugal, que há anos já desbravava a costa atlântica africana, vislumbrando alcançar o caminho das Índias. Tal decisão desagrada a França e as demais potências européias, que defendiam o Uti Possidetis, ou seja, que o direito de posse seria da nação que efetivamente viesse a ocupar as novas terras.

Então, D. Manuel I proíbe a seus súditos, sob pena de morte, de fornecer qualquer informação que viesse a facilitar o reconhecimento das rotas marítimas ou de localizar suas novas terras. Portugal não estava disposto a perder a hegemonia do comércio com o Oriente ou de abrir mão de controlar o Atlântico Sul, onde o Brasil ocupava uma posição estratégica.   

No entanto, não obstante ao sigilo e todas as precauções, a França alcançou a Ilha de Santa Catarina ainda em 1504, dando início a um ciclo rotineiro de incursões aos “Brasis” na busca de riquezas. O litoral era extenso, difícil de ser guarnecido e controlado, de forma que de nada adiantou o Papa Júlio II confirmar o Tratado de Tordesilhas em 1506, em favor da Espanha e de Portugal. 

Os franceses mostrar-se-iam inquebrantáveis, ao aliarem-se aos nativos para o escambo e concorrer com os portugueses na exploração em grande escala do pau brasil. Em suas viagens ainda arrebatavam peles de animais, macacos, papagaios, araras, entre outras aves coloridas e tudo mais que fosse interessante e comercializável. Até mesmo os nativos não escaparam de serem levados para exibição na corte, como autênticos atrativos tropicais.

Segundo os historiadores Carlos Guilherme Mota e Adriana Lopes, “piratas e corsários franceses haviam tomado e pilhado nada menos que 350 embarcações” portuguesas, em um período de trinta anos. 

Portanto, a Coroa Portuguesa contabilizava imensuráveis prejuízos com o contrabando, a pirataria e o corso francês. Como as intervenções diplomáticas lusas não logravam êxito, a relação bilateral com França tornou-se muda e surda, em uma guerra fria não declarada.

Na impossibilidade de conter o ímpeto francês, a Coroa Portuguesa passa a enviar expedições guarda costas, com intuito de banir e afugentar os corsários e invasores. Três expedições comandadas por Cristovão Jacques, o Inclemente, foram realizadas em 1516, 1521 e 1527. Jacques declarou guerra aos invasores, destruindo suas feitorias e embarcações. Na primeira delas mandou enterrar vivos vinte franceses, ocasionado um grave conflito diplomático.

Mesmo assim, os franceses se mostrariam pertinazes. Todavia, D. João III não estava disposto a tolerá-los nas terras da América. Resolve, então, organizar uma grande expedição, que deixa Portugal ao final de 1529, comandada pelo fidalgo Martim Afonso de Souza, para iniciar a colonização do Brasil. No início de 1530, quando a expedição chega à costa brasileira captura três navios franceses.

Entretanto, a persistência continuaria. Em 1555 Villegagnon funda a França Antártica e inicia a colonização do Rio de Janeiro; Em 1612 é a vez da França Equatorial, na atual cidade de São Luiz do Maranhão. O corso e a pirataria resistiriam ainda até princípios do século XVIII.

4 comentários:

  1. Com tantas incursões em uma área tão vasta é difícil explicar como o Brasil não se desintegrou em diversas colônias falando idiomas diferentes.

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante o tema! Lembrou-me um livro lido no clube de leitura que abordava questões deste período: "A controvérsia" de Jean-Claude Carrièrre.

    Parabéns Wagner, pelos excelentes textos que você nos brindou neste ano. Aguardamos novas reflexões, questões e emoções para 2014 com suas postagens semanais. Adorei os textos sobre história do Brasil, os contos, crônicas e sua rica interação conosco. Além do valor literário dos textos, têm sido fonte de grande aprendizado para mim, sobretudo o questionamento político que você tem abordado de forma muito elegante. 2014, ano de eleições, promete bons debates.

    Boas férias, Feliz Natal, Boas Festas, um Ano Novo cheio de leituras e alegrias para você e família. Abração na Cristina.

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  3. Também quero agradecer suas aulas de história no blog, adoro. Espero que continue em 2014.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço as manifestações de apreço do Evandro Paiva de Andrade e da Rosemary Timpone.
      Despeço-me este ano do blog desejando a todos um FELIZ NATAL e PROFÍCUO ANO NOVO. No próximo ano certamente estaremos de volta.

      Excluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.