CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

20 de janeiro de 2015

Sua Excelência, Seu Vivinho - Wagner Medeiros Jr


No último domingo bem de noitinha, lá pelas oito, todos procuravam por ele, preocupados, até que a filha, Conceição, resolveu perguntar aos vizinhos se havia algum jogo do Cachoeiro. Ele havia saído desde à uma da tarde, sem dizer a ninguém em casa aonde ia. Entretanto, não deixara de passar na casa da vizinha, com o seu ioiô escondido debaixo do casaco, dizendo ir disputar um campeonato no Shopping Sul.
Aquela era a pista que faltava. Realmente foi lá no Shopping Sul, por volta das nove, que ele foi encontrado. Estava terminando o campeonato, que por apenas uma manobra fora eliminado, creio que em quarto lugar.  Segurava em uma das mãos um certificado de participação; na outra, o prêmio da classificação: um ioiô novo. No peito, orgulhoso, uma medalha. Assim, com muita alegria, ele retornou para casa.

Tudo até seria normal se o Senhor Silvino Santana não tivesse os seus bem vividos 88 anos de idade. Contudo o “Seu Vivinho”, como ele é chamado, há muito tempo resolveu parar de envelhecer; não dá mais bola para idade. Como seu vizinho, sou testemunha!

Em nossa rua, no Baiminas, Seu Vivinho é muitíssimo estimado. Todos o consideram parte da própria família. Ele mesmo diz, emocionado, que além das crianças, muitos adolescentes e adultos o chamam por “Vovô Vivinho”. É que ele participa ativamente da vida da rua. Ora brincando com as crianças, ora compartilhando sua juventude com os adultos.

Além da habilidade com o ioiô, Seu Vivinho tem ainda uma destreza fabulosa com o manejo do pião, quer no aparo com a mão, ou no arremesso com a linha. A única coisa de que reclama da vida, por suas próprias palavras, é que “sempre faltou força nos dedos para jogar direito a bola de gude”.

Porém, Deus lhe recompensou dando-lhe agilidade nos dedos e um fabuloso ouvido, para realizar sua maior paixão, que é a de tocar flauta. A perfeição é tanta, que não há quem não goste! Seu repertório é muito bem selecionado: Tico-tico no fubá, Urubu Malandro, Na Glória, Vale Tudo, Meu pequeno Cachoeiro... Por isto, também é conhecido por “Seu Vivinho da Flauta”.

Com muito orgulho ele recorda ter tocado para o ex-governador Paulo Hartung, no aniversário do nosso atual prefeito, Carlos Casteglione, em inúmeros eventos, solando flauta ou na percussão, quando integrava a famosa orquestra do maestro José Nogueira.

Mas, de profissão era foguista. Em 1942 ingressou na extinta Estrada de Ferro Itapemirim. Colocava lenha na caldeira da Maria Fumaça, que fazia a linha Cachoeiro de Itapemirim -Marataízes. Eram quatro horas de ida, mais quatro horas de volta na boca da fornalha. Assim foi até 1968, quando a estrada de ferro foi extinta. Então, foi transferido para o Colégio Newton Braga, onde se aposentou em 1984.

Ainda menino participava da colheita de café junto à sua família, lá pelas roças do atual bairro São Geraldo. Naquela época também gostava de pescar piau, cascudo, robalo e tainha, que havia em abundância no rio Itapemirim.

(Agora, em segredo, conto apenas aos leitores e leitoras desta coluna: com seus 88 anos, Seu Vivinho ainda desperta o ciúme de sua zelosa esposa, Dona Nicinha, com que está casado mais de 60 anos).

Creio que daqui alguns anos, quando Seu Vivinho resolver a envelhecer, que ele não perderá a jovialidade.  Nem a simpatia, a alegria e o riso tão peculiares, que carrega por toda parte. Este sim deve ser chamado por Sua Excelência. Sua Excelência, Seu Vivinho.


3 comentários:

  1. Viva 'seu' Vivinho! Porque a vida parece mesmo um ioiô, que sobe e desce, e que a gente tem que saber levar na flauta.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom conhecer Seu Vivinho através do Wagner. Admiro muito essas pessoas que fazem da vida um grande acontecimento, e com flauta então, muito mais! Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Bela lição de vida nos ensina Sua Excelência, Seu Vivinho. Dona Nicinha faz bem em zelar por ele. Obrigada ao Wagner por trazê-lo até nós.
    Elenir

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.