CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

12 de setembro de 2013

Museu das Belas Artes: W. H. Auden

Pieter Brueghel, A Queda de Icarus
Oil-tempera, 29 inches x 44 inches. Museum of Fine Arts, Brussels

Acerca do sofrimento, nunca se enganaram
Os Velhos Mestres: quão bem entenderam
A condição humana; como está presente
Enquanto os demais comem ou abrem uma janela ou seguem monotonamente a caminhar; 

Como, enquanto os velhos esperam reverente e apaixonadamente
Pelo miraculoso nascimento, deve sempre haver
Crianças que não queriam especialmente que acontecesse, patinando
Num lago na orla da floresta:
Eles nunca esqueceram
Que até o mais terrível martírio tem que seguir o seu curso,
A um canto, custe o que custar, nalgum local descuidado
Onde os canídeos acorrem com suas vidas de cão, e o cavalo do torturador
Coça o seu inocente traseiro atrás de uma árvore.
No Ícaro de Brueghel, por exemplo: como tudo se afasta 
Ociosamente do desastre; o lavrador poderá
Ter ouvido o splash, o grito desamparado,
Mas para ele não era um importante fracasso; o sol brilhou
Como devia sobre as pernas brancas que desapareceram na verde
Água; e o frágil e grandioso navio que deve ter visto
Algo de espantoso, um rapaz caindo do céu,
Tinha um destino para atender e afastou-se calmamente.
* * *

(original)
About suffering they were never wrong,
The old Masters: how well they understood
Its human position: how it takes place
While someone else is eating or opening a window or just walking dully along;
How, when the aged are reverently, passionately waiting
For the miraculous birth, there always must be
Children who did not specially want it to happen, skating
On a pond at the edge of the wood:
They never forgot
That even the dreadful martyrdom must run its course
Anyhow in a corner, some untidy spot
Where the dogs go on with their doggy life and the torturer's horse
Scratches its innocent behind on a tree.

In Breughel's Icarus, for instance: how everything turns away

Quite leisurely from the disaster; the ploughman may
Have heard the splash, the forsaken cry,
But for him it was not an important failure; the sun shone
As it had to on the white legs disappearing into the green
Water, and the expensive delicate ship that must have seen
Something amazing, a boy falling out of the sky,
Had somewhere to get to and sailed calmly on.



Um comentário:

  1. Oi Evandro
    Gostei muito dessa ligação de analisar uma pintura com a literatura.

    Abraços Ceci

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.