CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

6 de setembro de 2013

Momento poético: Helene Camille

 

Platão, o Amor, o Êxtase e os Cavalos Alados 

 

Dois são os cavalos

que deveriam nos conduzir

ao êxtase supremo.
Um dos cavalos nos impele aos céus
o outro a fincar-se à Terra
O embate é ferrenho,
a alma se divide e titubeia
ante que direção tomar
nessa incrível disputa.
Corpo e alma
e uma única dúvida:
seguir o puro sangue
ou o cavalo mestiço?
A batalha dura
uma eternidade.
Defesas caídas,
o mestiço assume o controle
Já não ouço mais o puro.
Deixo o mestiço conduzir-me.
A luta agora é outra.
Apelos incontroláveis e
um só desejo: pequenas mortes
Corpo exausto,
abrupto silêncio,
o coração ainda bate forte
depois... paz.

13 comentários:

  1. Respostas
    1. Rsrsrsrs, nunca mais o céu se abrirá para mim, pois abri mão dele e os deuses não esquecem de algo dessa magnitude, o Tártaro me espera sem pressa.

      Excluir
  2. Querida Helene, eu que já era fã de seus textos espirituosos e comentários sempre irreverentes, agora me rendo à sua bela poesia nesta faceta sensual e lírica. Adorei. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Rita, a culpa dessas escritas ultimamente é do Clube do livro, vocês me impulsionam, mesmo de longe. Escrever não é novidade para mim, já escrevo desde que aprendi a pegar num lápis, mas ao longo de muitas décadas arrisco-me pela primeira vez a dar a cara ao tapa, mesmo que cautelosamente como uma criança que está aprendendo a se equilibrar em suas pernas.

      Excluir
  3. Eita!!!! Show!
    Um poema alazão, bravio, perfeito.
    Parabéns Camille.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Novaes, Platão deve ter sido um exímio apostador, pois sabe como incitar esses belos espécimes.

      Excluir
  4. Obrigada pelo incentivo gente. rsrsr ainda não sei burilar as palavras e seus sentidos. Sou ainda um tanto crua e literal (bem, pelo menos na minha cabeça porque sei o que me fez escrever esse poema), mas vou experimentando, uma hora fica mió. Não estou bem lembrada, mas acho que foi na biografia de Kafka que mencionava ter ele reescrito um parágrafo porque nele estava se expondo muito e ele não queria se expor . Talvez um dia eu também consiga fazer isso, porém, ainda não tenho muita destreza.

    ResponderExcluir
  5. Muito, bom, Helene. Adorei. Mas não se preocupe com a exposição se você deseja mesmo se expressar por meio da escrita. Acredito que escrever é já se expor. Alguns mais, outros menos. um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Antônio, é verdade, nos expomos quer queiramos ou não.

      Excluir
  6. Parabéns Camille.
    Como é bom deixar a alma "galopar", voar sem amarras....
    Beijos ternos,
    Vera.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Vera. De vez em quando eu escrevo umas coisinhas e gosto realmente de viajar sem amarras (ou na maionese rssr), tanto que o nome do meu blog é o mundo mental, justamente para que meu pensamento pudesse se despregar e expressar o que me angustia, minhas dúvidas e minhas não certezas sem o compromisso do politicamente correto (que é chato se for levado ao extremo, da lógica e por vezes até mesmo da coerência. rsrsr

      Excluir
  7. Um vendaval!! Parabéns.
    Hélio Penna.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Hélio, são os ventos de Zeus e seu séquito provoca em nossas almas, nos conclamando a segui-lo ao mundo perfeito, mas são tão preguiçosa que prefiro as artimanhas do corpo do que a perfeição da alma.

      Excluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.