CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

18 de setembro de 2013

Angústia


O desamor me angustia
as incertezas roem a minha alma
como ratos em seus ninhos
fazem com os trapos
Logo agora que a esperança
surgia feito algo tangível
fui abandonado 

Augusto Giacometti

com o coração ferido
Ah, como eu odiava!
Era uma golfada de ciúmes
que lambuzava o meu interior
ciúme da mulher, ciúme do homem
que desavergonhados se amavam
ambos descarados, felizes, com riso exposto
Prendo-me ao silêncio
Um silêncio temeroso que sufoca
e impulsiona-me para o beco da solidão
Escuro, frio, delgado, lúgubre
Assim era o meu mundo
longe daquele cruel e infiel amor
O vício me consumia lentamente
A insônia era a minha companheira, noite após noite
O livro e a imaginação eram os melhores afagos
dentro do peito lacerado pela vida
ali onde a morte faz a ronda
Nas madrugadas frias e sombrias
rompeu o fio da ilusão

               Sonia Salim

7 comentários:

  1. Sonia, parabéns, muito belo seu poema.

    ResponderExcluir
  2. Rita e Rose T, muito grata pelos comentários. São os sentimentos que nos pressionam a escrever durante as leituras que fazemos. E que bela obra a de Graciliano Ramos!!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Salve, Sonia Salim! Eis que a poetisa lê o livro através das páginas, como se o papel fosse fluido e a tinta, superfície. Só a liberdade do olhar do poeta liberta verdadeiramente uma história. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Novaes, que boa leitura! Muito grata. Veja o momento que me trouxe mais angústia.

      Eu trouxe algo para recordar: "D. Adélia se lembra das flores de laranjeira que lhe enfeitavam a cabeça bonita. Tantas esperanças. Hoje é essa miséria que se vê." (Graciliano Ramos)

      Excluir
  4. Sonia, me atrevo a dizer que esse é o melhor de seus poemas.Captou a essência do livro.O que corroi a alma de Luis. Muito bom! Parabéns!
    Bjs,
    Elô

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Elô! O dia que eu tiver um tempo disponível e silêncio na alma (rs) vou gravar esse poema, não em vídeo, só áudio. Eu fiz uma conta soundcloud, mas ainda não gravei nada. Estou precisando administrar melhor o tempo.

      Obrigada pelas belas palavras de incentivo. Beijos!

      Excluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.