CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

12 de junho de 2013

A Casa Vazia: Elenir Teixeira

O presente texto nos foi enviado pela autora após troca de emails entre integrantes do nosso clube de leitura  por ocasião do debate do livro de Maio 2013 em que se comparou "o fazer literário de Chico Lopes, autor do excelente 'O estranho no corredor' e a pintura de Edward Hopper". O texto foi inspirado na tela "Sun in an Empty Room".


Depois de tantos anos, volto à casa de meus avós. Preciso revê-la e despedir-me, antes que novos donos a possuam. A sala vazia, de tinta fresca e cores intensas, amarelo e marrom, avivadas pelo raio de sol entrando pela janela, traz-me de volta o passado mergulhado em suas paredes caiadas.

         No meio da sala, ficava a mesa comprida onde a numerosa família reunia-se para mais um almoço de domingo. Meu avô, à cabeceira, mantinha-se, como sempre, em silêncio, acompanhado por todos. “A refeição é um momento sagrado e merece respeito”, dizia. Somente hoje, me dou conta do verdadeiro motivo daquele silêncio. O velho e sensível vô Chico, homem calado e circunspecto, tinha receio de que, ao falar, aflorassem seus verdadeiros sentimentos e visse prejudicada sua autoridade.

         As belas peças do aparelho de porcelana chinesa enfeitavam a mesa. Minha avó fazia questão de exibi-las nos dias de festa. Domingo, para ela, era um desses dias. Exímia cozinheira, dispensava Zefa, e ela mesma, com muito carinho, preparava o almoço. Na sopeira fumegante, a canja de galinha perfumada com folhinhas de hortelã, ou o caldo verde incrementado com rodelas de paio e couve cortada bem fina, caprichosamente. Torradinhas e um bom vinho português eram os acompanhamentos para os adultos. Para as crianças, soda e groselha.

—Que delícia, que aroma maravilhoso!— dizia tio José.

—Vóvó, serve logo! adoro sua comida!— pedia Nelito, meu primo guloso.

—Também gosto, mas, na verdade, estou ansiosa pelos pastéis de Santa Clara, da sobremesa—acrescentava tia Eulina.

         Após essas manifestações, fazia-se silêncio novamente.

         Na goiabeira, em frente à janela, trepava Juca, o filho da Zefa, colhendo goiabas pra gente comer, avidamente, com bicho e tudo, comandados por nossos impulsos glutões.

Espalhava-se no ar, a doçura das balas vinda da fábrica vizinha. Hoje, em seu lugar, ergueu-se um prédio imenso. Concreto, sem nenhuma doçura.

O ruído do bonde, correndo vazio sobre os trilhos, varava a quietude da noite fazendo tremer toda a casa. Ainda que nos levasse a acordar assustados, eu, meu irmão e meus primos disputávamos, o prazer de dormir nesta casa, aconchegados pelas carícias de vó Cotinha: “Durma, querido, foi o bonde”. Falava com ternura, passando as mãos em nossas testas.

Meus avós partiram. Os nove filhos também. Os jovens envelheceram. A casa está à venda.

Continuam os mesmos, apenas, o raio de sol entrando pela janela e a velha goiabeira carregadinha de frutos.

Na sala vazia, trago um coração machucado de lembranças. “Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira”, lamento com Fernando Pessoa. 


8 comentários:

  1. Querida Elenir,
    Swu texto carrega as emoções doces das belas recordações de um tempo de tranquilidade, de aconchego e de aromas , quenturas de colo de avós. Emocionante, como é você sempre!
    Bjs,
    Elô

    ResponderExcluir
  2. Querida Elô, Obrigada!
    Escrevi esse texto há uns cinco anos. Inspirou-me a tela "Sun in na Empty Room", de Edward Hoopper. Quando o Carlos Rosa fez uma comparação entre a excelente obra de Chico Lopes e a, também excelente, de Edward Hoopper, respectivamente, na literatura e na pintura, busquei-o em meus arquivos e enviei-o ao Evandro que, gentilmente, como sempre, postou-o no blog.
    Beijos.
    Elenir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, é isso que eu falo, aqui nesse espaço, ficam mais tempo registrados e melhor visualizados nossos comentarios sobre os textos.
      Gostei muito dessa linda comparação.Quadros nos estimulam muito o pensamento, a imaginação,e como todos sabemos, você, Elenir, é dona de uma sensível e pródiga imaginação, ou melhor ainda, memória afetiva.
      Abraços carinhosos,
      Elõ(Helena, no Facebook)

      Excluir
  3. Belo texto, Elenir.

    Assim como essas suas, as recordações estão sempre envoltas em poesia. Se olharmos com atenção, sempre encontramos o romantismo com que nos lembramos do passado, e a poesia com que o descrevemos, se queremos falar dos bons momentos, claro, porque os maus também existem, e destes podemos também ser românticos, porém, revoltosos, digamos.

    A forma como elabora seu texto, Elenir, as palavras que usa, os diminutivos, "a velha goiabeira carregadinha de frutos" - diminutivos que são tão representantes de nosso carinho e afeição à coisa nomeada, ao tempo relembrado -; o carinho da sua avó ao fazer a comida, ao proteger os netos do medo; o silêncio do avô, defendido como uma forma de proteger sua autoridade; enfim, tudo consegue demonstrar, transparecer o carinho com que guarda na memória esses dias de infância.

    E quanto ao quadro, adoro Hopper, e já o usei para ilustrar poemas e outros textos meus no meu blog ou no Facebook - sempre uso pintores, e alguns fotógrafos, para ilustrar meus escritos na internet.

    Vejo na fotografia o mesmo que disse a Elô, "Quadros nos estimulam muito o pensamento". Tenho poema escrito, por exemplo, a partir de quadro do Monet. As pinturas realmente nos liberam sonhos, imaginamos o mundo onde se passa aquela suposta ação descrita lá, o que pensaria a moça com o brinco de pérola, ou a da sombrinha na colina, ao sol, o que poderiam pensar os três homens e as duas mulheres em um terraço, estáticos olhando o horizonte sob um vasto céu azul, na pintura "People in the sun", de Hopper. Mas claro, não pensam, são apenas imagens, mas pensamos nós, realizamos uma espécie de exercício de criação, e bolamos um enredo para a pintura. E como isso é bom!

    Agora me vou, sem mais, que já fui muito longe.

    Um abraço, Elenir e amigos do CLIc.

    ResponderExcluir
  4. Caro Will,
    Fico feliz e honrada ao receber suas palavras elogiosas sobre o meu texto, pois o considero um grande e sensível escritor. Sem ser uma memorialista,trago a memória de uma infância muito feliz e, de vez em quando, gosto de revivê-la através de meus textos. Mas, às vezes, penso: Teria sido realmente tão feliz? Conforme diz Gabriel Garcia Marques: "A vida não é a que a gente viveu e, sim, a que a gente recorda e como recorda para contá-la" Concordo.
    Mais uma vez, Obrigada!
    Abraços.
    Elenir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado a você Elenir, pelas palavras gentis.

      Sobre a memória, não seria estranho que elas fossem, algumas ou muitas vezes, recriadas em cima daquilo que realmente vivemos - Garcia Marquez tem razão. E era também a isso que eu me referia quando falei do romantismo com que comentamos nossos sonhos.

      Um abraço!

      Excluir
  5. Elenir, você nos leva pelos caminhos da saudade de um tempo que não volta mais e está lá no cantinho das boas lembranças. O seu texto vem carregado de muita sensibilidade que desencadeia emoções e torna-se impossível evitar olhos lacrimejantes. Tudo nos leva a recordar nossas vivências da infância, há pequenas diferenças com relação a árvores frutíferas e movimentação no ambiente. Quando vivemos esses momentos não sabemos da importância deles no futuro e que ficará na sala da mente reservada ao prazer da imaginação.
    Fico agradecida de poder revisitar com você a ‘salinha’ prazerosa da infância.

    Abraços!

    Sonia Salim

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Sonia, por suas palavras tão gentis e por compartilhar comigo as lembranças prazerosas de nossas "salinhas" da infância.
    Beijos.
    Elenir

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.