CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

4 de março de 2013

Um outro final: brincadeira coletiva em homenagem à mulher, sugerindo um final diferente para o texto a seguir


Caros leitores,

Nossa brincadeira de março, baseada na sugestão da Cristiana Seixas, é propor um outro final para o texto abaixo, de Affonso Romano de Sant'Anna (o final original foi inclusive  removido para não influenciar os participantes). O texto foi uma contribuição mais do que oportuna trazida por Joana Lapa, sendo este o mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher. 

Damas e cavalheiros, apresentem suas versões de possíveis finais no campo COMENTÁRIOS, s´il vous plaît.




A Mulher Madura, de Affonso Romano de Sant'Anna, COM DIFERENTES FINAIS PROPOSTOS PELO CLIc

 
Anouke Aimé
  O rosto da mulher madura entrou na moldura de meus olhos.
Melina Mercouri 

De repente, a surpreendo num banco olhando de soslaio, aguardando sua vez no
balcão. Outras vezes ela passa por mim na rua entre os camelôs. Vezes outras a
entrevejo no espelho de uma joalheria. A mulher madura, com seu rosto denso
esculpido como o de uma atriz grega, tem qualquer coisa de Melina Mercouri ou
de Anouke Aimé.



Há uma serenidade nos seus gestos, longe dos desperdícios da adolescência,
quando se esbanjam pernas, braços e bocas ruidosamente. A adolescente não
sabe ainda os limites de seu corpo e vai florescendo estabanada. É como um
nadador principiante, faz muito barulho, joga muita água para os lados. Enfim,
desborda.

A mulher madura nada no tempo e flui com a serenidade de um peixe. O silêncio
em torno de seus gestos tem algo do repouso da garça sobre o lago. Seu olhar
sobre os objetos não é de gula ou de concupiscência. Seus olhos não violam as
coisas, mas as envolvem ternamente. Sabem a distância entre seu corpo e o
mundo.

A mulher madura é assim: tem algo de orquídea que brota exclusiva de um
tronco, inteira. Não é um canteiro de margaridas jovens tagarelando nas manhãs.

A adolescente, com o brilho de seus cabelos, com essa irradiação que vem dos
dentes e dos olhos, nos extasia. Mas a mulher madura tem um som de adágio
em suas formas. E até no gozo ela soa com a profundidade de um violoncelo e a
sutileza de um oboé sobre a campina do leito.

A boca da mulher madura tem uma indizível sabedoria. Ela chorou na madrugada
e abriu-se em opaco espanto. Ela conheceu a traição e ela mesma saiu sozinha
para se deixar invadir pela dimensão de outros corpos. Por isto as suas mãos são
líricas no drama e repõem no seu corpo um aprendizado da macia paina de
setembro e abril.

O corpo da mulher madura é um corpo que já tem história. Inscrições se fizeram
em sua superfície. Seu corpo não é como na adolescência uma pura e agreste
possibilidade. Ela conhece seus mecanismos, apalpa suas mensagens, decodifica
as ameaças numa intimidade respeitosa.

Sei que falo de uma certa mulher madura localizada numa classe social, e os
mais politizados têm que ter condescendência e me entender. A maturidade
também vem à mulher pobre, mas vem com tal violência que o verde se perverte
e sobre os casebres e corpos tudo se reveste de uma marrom tristeza.

Na verdade, talvez a mulher madura não se saiba assim inteira ante seu olho
interior. Talvez a sua aura se inscreva melhor no olho exterior, que a maturidade
é também algo que o outro nos confere, complementarmente. Maturidade é essa
coisa dupla: um jogo de espelhos revelador.

Cada idade tem seu esplendor. É um equívoco pensá-lo apenas como um
relâmpago de juventude, um brilho de raquetes e pernas sobre as praias do
tempo. Cada idade tem seu brilho e é preciso que cada um descubra o fulgor do
próprio corpo.

A mulher madura está pronta para algo definitivo.

Merece, por exemplo, sentar-se naquela praça de Siena à tarde acompanhando
com o complacente olhar o vôo das andorinhas e as crianças a brincar. A mulher
madura tem esse ar de que, enfim, está pronta para ir à Grécia. Descolou-se da
superfície das coisas. Merece profundidades. Por isto, pode-se dizer que a mulher
madura não ostenta jóias. As jóias brotaram de seu tronco, incorporaram-se
naturalmente ao seu rosto, como se fossem prendas do tempo.

A mulher madura é um ser luminoso é repousante às quatro horas da tarde,
quando as sereias se banham e saem discretamente perfumadas com seus filhos
pelos parques do dia. Pena que seu marido não note, perdido que está nos
escritórios e mesquinhas ações nos múltiplos mercados dos gestos. Ele não sabe,
mas deveria voltar para casa tão maduro quanto Yves Montand e Paul Newman,
quando nos seus filmes.





                                                                                                   


(15.9.85)

O texto acima foi extraído do livro "A Mulher Madura", Editora Rocco - Rio de
Janeiro, 1986, pág. 09.

7 comentários:

  1. A mulher madura não ama de forma possessiva, não existe mais tempo para isso, ela sabe valorizar o pouco que é muito, o que pode ter, aquilo que a alimneta, que a faz vibrar. Se agarra as lembranças e as vive intensamente.
    Desnudar uma mulher madura é uma arte para poucos...

    ResponderExcluir
  2. Mas infelizmente, a mulher madura não é vista dessa forma por alguns homens. É tão sutil que passa despercebida até pelos que têm uma fina sintonia. Ela é como um barco silencioso ancorado na praia com plena certeza no sucesso de suas navegações. Permanece firme, sem preocupações no futuro. A mulher madura é o lugar de ancoragem onde se firmam homens inteligentes e corajosos. A fecundidade é o alimento de seu coração fiel e hospitaleiro.

    ResponderExcluir
  3. A mulher madura está pronta. Atenta a todos os chamados, sobreviveu a muitas angústias e dores e sabe se levantar. A mulher madura de hoje se reinventa, ao invés de se conformar com seu destino e sua sina muda o mundo, começa de novo, não tem medo de derrotas. A mulher madura é forte, senhora de si e dona do seu nariz, dona de suas rugas, dona do seu corpo e da sua alma. Assim é a mulher madura do século XXI, pronta para se transformar na mulher inteira.

    ResponderExcluir
  4. Falar da mulher madura é assim uma confissão. Experiência que efetivamente se ganha e não um desperdiçar de tempo sem aprendizado. Eu queria ser como ela: madura, elegante, plena, luminosa, completa. Mas melhor não, sendo eu um homem, talvez ainda imaturo, quero é tê-la por perto, bem perto, colada, grudada na imagem do meu belo fim de tarde. Aí é que começam os devaneios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mulher madura, mulher equiibrada, mulher completa? E se ela não aprendeu tanto assim? E se as dores, encontros e desencantos não só somaram mas também fragmentaram?
      E seus ainda existentes medos? Suas mais antigas e mais novas inseguranças?
      Mulher constante, sem estigmas, com tudo que isso abarca e significa, lá isso sim.
      E só isso, por si só, já é grandioso... já leva ao infinito.
      Rose (sem T)

      Excluir
  5. Mulher madura. Sábia,experiente, lapidada pela vida. Enfrentou perdas e desencantos. Conquistou vitórias e muitos fracassos.Caiu muitas vezes e, muitas vezes, reergueu-se. Muher madura que sabe de suas fraquezas, mas, também, de sua força.Embora com cinquenta, sessenta, setenta anos,não importa a idade, conserva o entusiasmo, a curiosidade e a criatividade da juventude.
    Na mulher madura,"duas forças se mantêm num abraço em que, mutuamente se reforçam, o espírito jovem e alma velha e sábia"( Clarissa Pinkola Estés).
    Elenir (mulher maduríssima).

    ResponderExcluir
  6. A mulher madura se conheceu pelas cicatrizes de travessias. Ganhou âncora e aprendeu a conversar com os ventos. Conheceu a linguagem ponte que conecta seus abismos ao aprendizado com o que se apresenta. Já abandonou armas e ilusões e costura ternura com fio de palavras que encontra em livros, nas conversas sussurradas, em rostos que falam, no mergulho da dor.
    A mulher madura guarda a mansidão de quem reconhece e se alimenta de seus recursos interiores: um caldo vital encorpado pelas vivências e relações.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.