CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

31 de outubro de 2012

Clube do Conto - Meu Filho: Carlos Rosa Moreira


Hoje meu filho veio me ver. É meu filho único. Fazia tempo que não vinha. Ele trabalha muito, viaja, nos fins de semana também precisa fazer coisas. Mas se preocupa comigo, pergunta como estou, se preciso de algo. Ele é muito prático. Fala rápido, discorre sobre problemas que já não conheço bem e, quase sempre, cai numa conversa animada com algum funcionário deste lugar. Depois vai embora. Tudo muito rápido, prático. Às vezes, nem consigo pensar numa resposta e ele já está falando sobre outro assunto ou decidindo por mim.

Já não sou rápido, nem prático. Preciso descobrir do que falam para poder responder, pois sou velho e o meu mundo é outro, mais lento e menos rico. Talvez a minha cara velha me faça parecer meio parado, com dificuldades para entender. Não tenho culpa de ter os olhos baços, a pele sem brilho, as rugas profundas. Foi o tempo que me botou essa máscara como se eu fosse um ator de teatro japonês. Dentro de mim, luto para entender, para participar, fazer-me ligeiro. Quero dizer coisas. Dentro de mim meus olhos ainda brilham. Mas ele não espera, fica impaciente, muda de assunto como se dissesse: Papai tá cada vez pior!

Não estou não. Só preciso de um pouco de tempo. Após a visita, ele conversa com os funcionários. Dá uma gorjeta aqui, outra ali. Sei que são solicitações e observações a meu respeito. Poderia falar comigo! Então ele me beija, faz uma brincadeira e vai embora. Os que trabalham aqui sorriem com pretensa simpatia. Quase os ouço murmurarem: Ah... velho, velho...

Para falar a verdade, até gosto quando ele vai embora com aquele jeito de quem cumpriu a missão. Aí espero o pessoal sair também, e me volto para o meu filho. Tenho ele em diversas poses, em vários lugares de nossa antiga casa. Lembro-me tanto... Parece que foi ontem. Vivo cada um daqueles instantes como se fosse hoje. E me vejo ainda forte e de cabelos pretos. Ele gosta muito de mim. Precisam ver como pega meu rosto com a mãozinha rechonchuda e me olha com uma luz que vem direto do coraçãozinho cheio de amor e admiração. Alisa meu rosto, sorri e diz com a boquinha cheia de ar para saírem os “pês”: Papai...

Gosto muito de vê-lo ao lado da bicicleta. Que emoção quando a ganhou! Tem aquela fantasiado de homem-aranha e a outra com a camisa do Flamengo. Adoro ver seus sorrisos e olhares, tão transparentes, tão cheios de admiração por mim.

Tem dias que passo inteirinhos pensando nele. Naquele garotinho que não existe mais. Saudade... Acho que ter filhos é jamais deixar de sentir saudade.
 

6 comentários:

  1. Nãããããõoooo... isso deve ser pegadinha! Está faltando a parte II!

    ResponderExcluir
  2. Eu gostei do conto. Traz um sentimento estranho, mas que precisamos refletir e conhecer. A vida tem cenários fortes, à vezes, nós os participantes não entendemos bem as razões de vivenciarmos certas cenas, mas a experimentamos intensamente. Trouxe um pouco de nostalgia e um questionamento: o que poderia ser feito para que o cenário fosse diferente?
    Antagonismo, corações pulsantes, vida intensa. Amei! Parabéns!

    Grade abraço!

    Sonia Salim

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Carlos, mais um dos seus belos contos. Humano, sensível e escrito com sua competência costumeira. Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  4. Sonia Salim, obrigado pelo gentil comentário. Mas o que seria um cenário diferente?
    Newton, Mr.Epa dessa vez se deu mal. Nem sombra de repugnância. Obrigado pelo comentário.

    ResponderExcluir
  5. Carlos, seu texto é maravilhosamente humano.Emocionou-me, de verdade.Fez-me refletir ainda mais sobre o tema:respeito e amor ao idoso. ALGUNS JOVENS, sentem-se donos do mundo...a maioria, na verdade.Esquecem-se de que um dia pedirão respeito e atenção. Creio que ele deveria constar nas antologias escolares e em revistas sociais. Vou divulgá-lo no Face.Posso?
    Abraços da admiradora,
    Elô

    ResponderExcluir
  6. Mas é claro que pode, Elô, nem precisa perguntar. Obrigado pelo comentário. Um abração.
    Carlos.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.