CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

1 de março de 2013

A Paixão Segundo G.H.: Clarice Lispector


Versos

Clarice viu o que não estava lá
e eu ainda no óbvio
não sigo seus passos
recuo, refaço e nada
a meus olhos as mesmas
letras irreveladas
tal qual sua imagem
sisuda e compenetrada
vegetando em cada hiato sem criação.

Insisto ainda
debato comigo
indago a própria pergunta
a necessidade de entender
o que foge a meu parâmetro
o que está distante do que penso ser.

Começa a doer repensar o que
julgava certo, seguro, sem risco.
Revolvo o velho presente
cavuco arraigados conceitos
aderidos às membranas do costume.
Perco o chão, o foco, o limite
me vejo na vida feia e suja
lutando pela sobrevivência
em silêncio.
Vejo através de mim e além
enxergo o tempo contínuo
nada nunca passou nem passará
o tempo se me corre.

Meu prédio inteiro rui
arcabouços de humanidade desabam
rótulos navegam em meu sangue
de barata
à procura do ralo.
Quebro o que era hermético
testemunho a dor gigante
sou disforme
uma massa branca
desconexa e solitária.
Tenho medo de mim.
Provo, desconheço
atravesso, abandono,
mato e ressuscito-me,
mais densa e amadurecida
pelas mãos dessas páginas.

Rita Magnago
Última atualização do blog: 24/10/2012
Confira em


Travessias
* * *

Abujamra declama Clarice




Entrevista com Clarice Lispector

"Sou o silêncio gravado numa parede, e a borboleta mais antiga esvoaça e me defronta: a mesma de sempre. De nascer até morrer é o que eu me chamo de humana, e nunca propriamente morrerei.

Mas essa não é a eternidade, é a danação.

Como é luxuoso este silêncio. É acumulado de séculos. É um silêncio de barata que olha. O mundo se me olha. Tudo olha pra tudo, tudo vive o outro; nesse deserto as coisas sabem as coisas. As coisas sabem tanto as coisas que a isto...a isto chamarei de perdão, se eu quiser me salvar no plano humano. É o perdão em si. Perdão é um atributo da matéria viva."
Senti muito, Êlo... esse trecho em especial revelou muito do livro para mim. O momento do impacto, de estar presa ao horror, ao momento, ao silêncio, que a levou ao confronto com si mesma. Muito especial, Clarice Lispector, uma excelente escolha! Beijos, querida.

(Maria Lucia)
Olá Leitor CLIc, bem vindo ao encontro de si mesmo










Clarice

13 comentários:

  1. Eca! Ainda tinha que se mexer? Depois a repugnante sou eu, cruzes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Living (my way), reading (the authors of CLIc) & learning, whatsoever!

      Excluir
  2. And yet, always witty. That´s the main learning, I think. Congrats!

    ResponderExcluir
  3. Estou quase desistindo de ler o livro só por causa dessa barata repugnante!

    ResponderExcluir
  4. por Carlos Drummond de Andrade

    Clarice

    veio de um mistério, partiu para outro.

    Ficamos sem saber a essência do mistério.

    Ou o mistério não era essencial.

    Era Clarice bulindo no fundo mais fundo

    Onde a palavra parece encontrar

    Sua razão de ser, e retratar o homem.

    Levitando acima do abismo Clarice/ riscava um sulco rubro e cinza no ar e

    Fascinava-nos./

    Fascinava-nos, apenas.

    Deixamos para compreendê-la mais tarde/

    Mais tarde, um dia... saberemos

    Amar Clarice

    Fonte: Jornal do Brasil, 09/12/1997

    ResponderExcluir
  5. Nossa esse vídeo é muito bom. Cara tem uma tensão entre Clarice e o entrevistador quase palpável. Tive medo que em determinados momentos ele voasse na garganta dele. Pra falar a verdade eu também não gostei muito dele não. A todo momento ela dizia que não se considerava uma escritora e o cara continuava a denomina-la como tal, será que ele queria fustiga-la? Bem, ela claramente não estava num momento propício a entrevistas. Mas reconheço que o cara não poderia perder a oportunidade, ja que ela não gostava de conceder entrevistas. No entanto, em nenhum momento ela ficou a vontade com ele e ele não teve a preocupação em deixá-la a vontade. Que disperdício! Enfim, ela me pareceu mais do que autentica, pois não se preocupou em mostrar sorrisos quando não havia vontade de sorrir. Foi sutil, mas inflexível em algumas posições (que achei muito pertinente). Clarice encarnou a função de escritora nessa entrevista, como ela bem esclareceu quando o jornalista lhe perguntou qual é a função do escritor "falar o menos possível". Enfim, eu detestei o entrevistador (rsrsr). Ela estava gloriosa em sua reticência.

    Parabéns pela escolha do vídeo.

    ResponderExcluir
  6. Sobre o vídeo da declamação, dialoga muito com o que consta na pág 11:
    "Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo - quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo, não sei me entregar à desorientação"

    ResponderExcluir
  7. Clarice é espetacular! Ela tem toda razão. Uma das minhas maiores felicidades foi ententer que não precisava entender tudo. A vida desse momento em diante ficou flutuante, igual nuvem.

    ResponderExcluir
  8. Quando ouvi falar sobre este livro a primeira vez,era adolescente e ouvi um "resumo" que não era resumo e sim só falava da barata.
    E lembro de ter dito que nojo,que livro horrível.
    É o primeiro livro de Clarice que leio,pelo o que me lembre pelo menos. Não a acho misteriosa,e sim bastante questionadora e profunda.
    Mas,agora lendo,vejo que a barata não é relevante,na maior parte do texto esqueço até que ela exste.

    ResponderExcluir
  9. Diante da barata viva, G.H. descobre o que considera a sua pior descoberta: "a de que o mundo não é humano. E de que não somos humanos".
    Lílian postou isso no Face e fiquei me lembrando da entrevista do Carlos, feita pelo Newton. Não exsitem baratas nem humanosrsrsé o que concluo depois de ler Eneida, somos todos ficções.


    ResponderExcluir
  10. Depois desse livro, não posso mais ouvir alguém dizer que gosta de massa... Se falarem em "massa branca" então... Eis que os livros de receita ficaram repugnantes para todo o sempre. Esta é uma questão existencial das mais periclitantes...

    ResponderExcluir
  11. Melhor resenha do livro que eu já li até agora...

    http://ligiabaleeiro.blogspot.com.br/2013/02/clube-do-livro-1-paixao-segundo-gh.html

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.